finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

PIB deve crescer entre 1% e 2%, diz secretário do Tesouro

O secretário do Tesouro Nacional, Joaquim Levy, projetou hoje um crescimento do PIB abaixo de 2% este ano. Segundo ele, com a divulgação do PIB no segundo trimestre do ano, ainda não há uma projeção para 2003. Ao ser questiondo sobre o dado da pesquisa semanal realizada pelo Banco Central, divulgada hoje,que mostra uma previsão de 1,03% de crescimento do PIB, Levy afirmou que o aumento deve se situar entre esse porcentual e 2%. Ele realçou que não é especialista sobre projeção de crescimento, e disse que a variedade das avaliações que existem hoje mostra a incerteza que existe sobre esse indicador. "Há um grau de incerteza", disse Levy, em entrevista convocada para o Tesouro falar sobre a penúltima revisão do acordo com o Fundo Monetário Internacional, aprovada na última sexta-feira.Trabalho Sobre a melhora da economia brasileira, Levy comentou que o Brasil já virou a esquina, superando as dificuldades do passado. "A economia parou de diminuir", ressaltou o secretário, acrescentando que a economia está se recuperando, mas qu e ainda há muito pela frente. Ele fez questão de destacar os números de emprego formal, divulgados pela Caged (pesquisa do Ministério do Trabalho) que mostram um crescimento no emprego formal de 3,27%, acumulado em 12 meses, e 2,5% no ano. Para Levy esse dado é importante porque vale a carteira assinada. "É um emprego de azuizinhas", disse Levy, referindo-se à cor da carteira profissional. Ele argumentou que o emprego formal mostra um símbolo de confiança, depois da crise da economia no ano passado. Levy destacou que é preciso aumentar o número de empregos, mas que não se pode perder de vista essa melhora. Segundo ele, a proposta de reforma tributária tem como um de seus objetivos ampliar o emprego formal. Políticas fiscal e monetária não mudarãoO secretário do Tesouro afirmou que as políticas fiscal e monetária permanecerão as mesmas, independentemente de um novo acordo com o FMI. "Com acordo ou sem acordo a política fiscal deve continuar. Ela é fundamental para alcançarmos nossos objetivos", disse. Do ponto de vista da política monetária, Levy também considera importante a manutenção do rumo, já que ele tem permitido o controle da inflação e a redução dos juros no País. "Espero que não haja mudança nisso: inflação mais baixa, juros mais baixos, mais crescimento", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.