Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

PIB deve crescer só 2,8% este ano, diz CNI

Previsão anterior era de 3,8%; em 2012, o 'consumo doméstico deve sustentar o PIB'

LU AIKO OTTA, RENATA VERÍSSIMO/ BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2011 | 03h06

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deverá crescer apenas 2,8% este ano, segundo estimativas divulgadas ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O "tombo" do PIB no terceiro trimestre de 2011, com expansão zero, fez com que a entidade cortasse sua previsão anterior - de um aumento de 3,8%.

Para 2012, a perspectiva é que as coisas não melhorem muito, com um crescimento de modestos 3% - bem abaixo dos 5% pretendidos pelo governo. O motor seguirá sendo o consumo das famílias. No entanto, é esperada uma perda de dinamismo no mercado de trabalho, dado o baixo nível dos investimentos.

A atividade industrial, que tem sido a mais prejudicada pela conjuntura econômica, deverá fechar 2011 com um crescimento de 1,8%, ante uma previsão de 3,2%. Em 2012, a taxa de expansão ficará em 2,3%, estima a CNI.

"Não esperávamos uma queda tão grande", disse o presidente da entidade, Robson Andrade. Ele explicou que o setor foi surpreendido por medidas de impacto negativo, como a alta dos juros e o dólar muito barato na primeira metade do ano. "Para 2012 deve melhorar um pouco, a indústria vai crescer perto de 3%, mas isso ainda é baixo porque a expectativa era crescer 5%." Ele acrescentou que o ideal para a indústria seria uma taxa de câmbio na casa dos R$ 2,10.

Desonerações. "Nossa proposta para 2012 é trabalhar na desoneração de diversos setores, principalmente investimentos", disse Andrade. Ele defende que o corte de tributos, que já beneficia os fabricantes de eletrodomésticos da linha branca, seja estendido a outras áreas , como bens de capital, de eletroeletrônicos, têxtil e moveleiro.

Além disso, a CNI pretende pressionar os Estados para reduzir o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre investimentos. Hoje o empresário leva 48 meses para ser ressarcido do tributo que vem embutido na compra de uma máquina, por exemplo.

Andrade reclamou da lentidão com que o governo vem implementando medidas já anunciadas, como as do programa Brasil Maior. O Reintegra, que promete devolver aos exportadores até 3% dos impostos, foi anunciado em agosto e só regulamentado em dezembro. É um tempo de que a indústria não dispõe, afirmou o presidente da CNI.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.