PIB do 2º trimestre deve indicar fim da recessão no Brasil

Analistas e governo projetam crescimento de cerca de 2% da economia; dado oficial será divulgado às 9h

Redação,

11 de setembro de 2009 | 08h15

O Produto Interno Bruto (PIB) do 2º trimestre, que será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira às 9 horas, deve indicar o fim da recessão técnica no Brasil - dois trimestres consecutivos de queda. Segundo levantamento do AE Projeções, o crescimento deve variar de 1,24% a 2,20% ante os primeiros três meses de 2009, com mediana em 1,80%.

 

Veja também:

linkPIB deve perder R$ 138 bi em 2009, dizem economistas

linkJapão revisa para baixo crescimento do PIB no 2º tri

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise

 

O governo também está confiante. Segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o PIB cresceu entre 1,8% e 2% no segundo trimestre, na comparação com os primeiros três meses do ano. De acordo com o ministro, em julho e agosto, a economia deu fortes sinais de aceleração em razão da retomada da produção industrial, pois as medidas de combate à crise estão surtindo efeito.

 

Um número importante a ser observado será o investimento em produção, medido pela Formação Bruta de Capital Fixo. O indicador desabou 12,6% no primeiro trimestre em comparação com o quarto trimestre do ano passado. Já em relação aos primeiros três meses de 2008, a queda foi ainda maior, de 14%. Estes resultados foram ainda piores que as do quarto trimestre de 2008, quando os investimentos caíram 9,8% em relação ao trimestre imediatamente anterior. Este número já mostrava o efeito do agravamento da crise econômica.

 

A FBCF é calculada levando-se em consideração a produção e importação de máquinas e equipamentos (com maior peso no cálculo, cerca de 60%) e, ainda, o desempenho da construção civil (cerca de 40% de peso).

 

No primeiro trimestre, a economia brasileira encolheu 0,8%, depois de recuar 3,6% de outubro a dezembro do ano passado, quando a turbulência externa atingiu em cheio a atividade nacional. Com a retomada do crescimento, o Brasil deixa o período de retração econômica mais rapidamente do que os países desenvolvidos, onde a recessão se prolongou por um ano.

 

Medidas devem ser mantidas

 

Apesar do número positivo, o ministro afirmou ser contra a adoção de estratégias de saída neste momento e avalia que as medidas anticíclicas devem ser mantidas no País, ponto defendido também pelos demais Brics.

 

Mantega avalia que ainda não é preciso reverter os estímulos porque o Brasil não teve o mesmo comprometimento fiscal que os outros países - os pacotes no País representaram apenas 1% do PIB. Conforme o ministro, a economia voltará a andar sozinha no futuro, mas esse momento ainda não chegou.

 

Mantega afirmou que não há novas desonerações à vista no Brasil. No entanto, continuará alerta. Ele mantém a previsão de crescimento de 1% do PIB neste ano e espera aumento de 5% em 2010.

 

(com Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
PIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.