bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

PIB do 2º trimestre ficou aquém do que gostaríamos, diz Bernardo

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, afirmou nesta quinta-feira que o resultado do PIB no segundo trimestre deste ano ficou aquém daquilo que todos gostariam. Entretanto, disse o ministro, é preciso pensar que o Brasil já chegou em um ponto em que tem todas as condições para crescer mais e de forma sustentada. O ministro alertou, no entanto, que a partir do próximo ano, seja qual for o governo, vários desafios na área fiscal terão que ser enfrentados. Ele lembrou que no final de 2007 acabam a CPMF e a Desvinculação de Receitas da União (DRU). Bernardo também defendeu a necessidade de se retomar as reformas estruturais e a agenda microeconômica. "Acho que estes são assuntos que têm amplo consenso no País e vão consolidar as condições para um crescimento mais elevado", disse. Ele acredita que o resultado do PIB no segundo trimestre é sazonal e que o terceiro e quarto trimestres devem ter desempenhos melhores. Ele afirmou que o governo mantém sua estimativa de crescimento para este ano em 4%. "Tem gente dizendo entre 4% e 4,5%", emendou.O ministro comentou também que alguns analistas não olham os dados trimestrais isoladamente, apenas no longo prazo. "Eu tenho defendido isso", afirmou. Ele fez os comentários antes de iniciar entrevista coletiva para anunciar o orçamento de 2007. "Seliquinha"Bernardo disse que considerou a reclassificação do rating do País pela Moody´s como "positivo e merecido pelo Brasil". "Achei positivo e fiquei muito contente." Ele disse que o Brasil precisa continuar aprofundando as ações que estão sendo realizadas. Segundo ele, a taxa Selic vai continuar caindo e daqui a quatro anos será chamada de "Seliquinha".Bernardo elogiou o trabalho do BC que, segundo ele, traz benefícios principalmente para a população de baixa renda. Segundo o ministro, a inflação sob controle significa um grande ganho para o trabalhador. Ele afirmou que a massa real de salário cresceu 6,8% no último ano, além de ter havido um aumento no consumo das famílias. "A inflação estável e baixa tem sido um ganho significativo para as famílias", afirmou o ministro, que está concedendo entrevista neste momento para anunciar a proposta orçamentária para 2007.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.