PIB do Japão cai 1,7% no 2º trimestre, o maior recuo em três anos

Desempenho da economia reflete a queda no consumo das famílias e empresas após o aumento do imposto sobre vendas, que passou a vigorar em abril

Estadão Conteúdo

12 de agosto de 2014 | 21h29

A economia do Japão contraiu acentuadamente no segundo trimestre em um período em que as famílias e as empresas reduziram seus gastos após o aumento do imposto sobre vendas em abril.

O Produto Interno Bruto (PIB) real recuou 1,7% no segundo trimestre na comparação com os três meses anteriores, a maior queda desde o primeiro trimestre de 2011. Os analistas ouvidos pela Dow Jones Newswires previam uma contração um pouco maior na mesma comparação, de 1,9%.

Na comparação anualizada, o indicador recuou 6,8% no segundo trimestre ante o mesmo período de 2013. Os analistas esperavam que a queda fosse maior, de 7,1%.

A taxa anualizada projeta quanto seria o PIB no ano caso o desempenho do trimestre fosse mantido. Para fazer o cálculo, eleva-se o PIB trimestral à quarta potência. 

Os analistas já esperavam esse forte recuo na economia japonesa, porque as famílias consumiram mais do que a média no primeiro trimestre, se adiantando ao aumento de 5% para 8% do imposto sobre vendas a partir de 1º de abril. A última vez que essa taxa havia sido aumentada foi em 1997.

No primeiro trimestre, o PIB avançou 1,5% ante o trimestre anterior. Em base anualizada, a expansão da economia foi de 6,1%.

Agora, o mercado aguarda para saber se essa contração é de curta duração ou se será mais duradoura e irá minar os esforços do primeiro-ministro Shinzo Abe para estimular o crescimento japonês.

Além disso, há uma grande expectativa em torno do anúncio do novo aumento do imposto sobre vendas, uma medida que o gabinete irá tomar para combater a enorme dívida pública do país. O mercado espera que, em outubro de 2015, o imposto suba para 10%. 

(As informações são da Dow Jones Newswires)

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoPIBcontração

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.