Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

PIB dos Estados Unidos tem maior contração em sete anos

Departamento do Comércio do país confirma retração de 0,5% na economia norte-americana no 3º trimestre

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

23 de dezembro de 2008 | 12h12

O Departamento do Comércio norte-americano manteve o cálculo anterior para o Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre, de contração à taxa anualizada de 0,5%. Economistas consultados pela Dow Jones esperavam que o PIB fosse revisado para contração de 0,6%. Veja também:Desemprego, a terceira fase da crise financeira globalDe olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  A contração de 0,5% é a maior desde a queda de 1,4% no terceiro trimestre de 2001. O componente de lucro das empresas, após impostos, foi revisado levemente para baixo, para queda de 3,2%, do cálculo anterior de retração de 3%. No segundo trimestre, o lucro cedeu 0,4%. Em comparação ao terceiro trimestre do ano passado, o lucro das empresas cedeu 10,1%. Os investimentos fixos residenciais, o componente do PIB que inclui os gastos das famílias, cederam 16% no terceiro trimestre, revisado em alta de estimativa anterior de queda de 17,6%; no segundo trimestre, caíram 13,3%. Os gastos com consumo caíram 3,8% no terceiro trimestre, superando a estimativa de retração de 3,7% e invertendo aumento de 1,2% no segundo trimestre. Os gastos com consumo respondem por cerca de 70% do PIB; no terceiro trimestre, tiveram uma contribuição negativa de 2,75 ponto percentual no PIB. Os estoques das empresas caíram US$ 29,6 bilhões no terceiro trimestre, levemente acima do cálculo anterior de US$ 29,1 bilhão, enquanto que, no segundo trimestre, caíram US$ 50,6 bilhões. Os estoques tiveram contribuição positiva de 0,84 ponto percentual no PIB do terceiro trimestre.  As vendas reais domésticas, PIB menos alteração nos estoques privados, caíram 1,3% no terceiro trimestre, abaixo da estimativa anterior de queda de 1,4%, mas contra aumento de 4,4% no segundo trimestre. As exportações subiram 3%, ao invés de um aumento de 3,4% informado anteriormente. As importações caíram 3,5%, superando o cálculo anterior de queda de 3,2%. O comércio agregou 1,05 ponto percentual ao PIB. Os investimentos das empresas recuaram 1,7% no terceiro trimestre, acima da previsão anterior de queda de 1,5%, mas inferior ao segundo trimestre, quando subiram 2,5%.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraCrise nos EUAPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.