PIB dos EUA alivia e Ibovespa respira após 6 dias de baixa

Números suavemente melhores que o esperado da economia dos Estados Unidos atenuaram os temores de recessão, fazendo as ações brasileiras subirem após seis sessões no vermelho.

ALUÍSIO ALVES, REUTERS

27 de agosto de 2010 | 17h49

Com forte impulso das blue chips Petrobras e Vale, o Ibovespa concluiu a sexta-feira em alta de 2,69 por cento, a 65.585 pontos, na maior alta diária desde 27 de maio.

O giro financeiro da sessão somou 5,25 bilhões de reais.

"Dentro de um cenário ruim, até que hoje não foi um dia de más notícias", resumiu o diretor da Global Financial Advisor, Miguel Daoud, sobre a maneira como o mercado reagiu a eventos que eram aguardados com expectativa sobre a economia dos EUA.

Um deles foi a notícia de que o Produto Interno Bruto (PIB) revisado do país no segundo trimestre cresceu 1,6 por cento, menos do que a leitura inicial de 2,4 por cento mas melhor do que as expectativas de analistas, de 1,4 por cento.

A outra foram comentários do chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, admitindo que a economia vem fraquejando mais do que se esperava, mas que a autoridade está pronta para tomar medidas adicionais, caso seja necessário .

Num primeiro momento, as bolsas de valores chegaram a cair, mas com o correr da sessão a disposição para ir à caça de barganhas foi ganhando força --depois de as ações terem atingido as mínimas em semanas.

"Por enquanto, prevaleceu a ideia de que os Estados Unidos não vão entrar em recessão de novo", disse Daoud. "Mas isso pode mudar, dependendo dos próximos índices."

Na bolsa paulista, as ações mais importantes, que vinham caindo na frente do mercado, lideraram a recuperação. Foi o caso da preferencial da Petrobras, que ganhou 3,35 por cento, a 26,56 reais.

De acordo com profissionais do mercado, os investidores começam a se conformar com a possibilidade de que o preço do barril que será usado na capitalização da companhia será de cerca de 8 dólares, como alguns relatos da imprensa não confirmados oficialmente.

Na mesma direção, a preferencial da Vale teve avanço de 3,1 por cento, a 41,95 reais, mesmo após a mineradora informar que seus preços médios do minério devem ser reduzidos em cerca de 10 por cento a partir de outubro.

Para a Link Corretora, "o patamar (de preços) ainda é bastante elevado e deverá manter a rentabilidade da companhia nas alturas".

RECUPERAÇÃO AMPLA

Em diferentes níveis, a recuperação atingiu todo o mercado, situação evidenciada pela alta de 62 dos 65 papéis que compõem o Ibovespa.

Ativos que vinham sendo bastante machucados nas últimas sessões também voltaram com mais força. Foi o caso de Gol, que havia desabado mais de 10 por cento nas últimas três sessões e liderou o Ibovespa nesta sexta-feira, com um salto de 6,3 por cento, a 22,72 reais.

JBS, a vice-líder, subiu 4,4 por cento, a 7,37 reais.

Para a próxima semana, os investidores voltam suas atenções, na cena doméstica, para a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre a Selic, hoje em 10,75 por cento ao ano.

Tudo o que sabemos sobre:
BOVESPAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.