PIB dos EUA avança mais que o estimado e sobe 2,7% no 3º trimestre

O avanço, contudo, não deve ser sustentado devido aos cortes de gastos do governo e aumento de impostos em 2013

Sergio Caldas, da Agência Estado,

29 de novembro de 2012 | 11h47

Atualizado às 15h36

WASHINGTON - A economia norte-americana cresceu mais do foi inicialmente estimado no terceiro trimestre, com a alta dos estoques e ganhos das exportações levando o governo a revisar o indicador para cima.

O Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA cresceu a uma taxa anualizada de 2,7% entre julho e setembro, a maior taxa de expansão trimestral desde os últimos três meses de 2011, de acordo com a segunda estimativa do Departamento do Comércio. Originalmente, a expansão do PIB norte-americano havia sido estimada em 2%. Economistas consultados pela Dow Jones esperavam que a revisão de hoje apontaria crescimento de 2,8%.

A revisão veio após o sólido crescimento dos lucros das empresas. Em relação a um ano antes, os lucros com a produção atual, excluindo-se ganhos de capital, cresceram 8,7% no terceiro trimestre. Por outra medida, os lucros das companhias após o pagamento de impostos, e sem ajustes de estoques e uso de capital, avançaram 18,6% na comparação anual e 5,2% ante o trimestre imediatamente anterior. Os números que consideram impostos pagos refletem mais fielmente o que as empresas divulgariam em resultados trimestrais.

O aumento dos estoques privados ajudou na revisão para cima do PIB, segundo o Departamento do Comércio. Os últimos dados indicam que os estoques tiveram contribuição de 0,77 ponto porcentual para o crescimento econômico dos EUA no terceiro trimestre. Inicialmente, o governo estimativa que os estoques haviam tido uma contribuição negativa de 0,1 ponto porcentual.

A revisão também reflete as exportações, que cresceram 1,1% no terceiro trimestre, segundo a última estimava. Anteriormente, estimou-se que as exportações tinham recuado 1,6% no período. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROEUAPIB*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.