Mike Segar/ Reutes
Mike Segar/ Reutes

PIB dos EUA avança só 0,5% no 3º trimestre sob impacto da variante Delta e da escassez de produtos

Economia americana teve forte desaceleração no período ainda afetada pela pandemia e por problemas globais de abastecimento, mas já começa a dar sinais de recuperação 

Reuters

28 de outubro de 2021 | 10h37

WASHINGTON - A economia dos Estados Unidos cresceu em seu ritmo mais lento em mais de um ano no terceiro trimestre, com o agravamento das infecções de covid-19 sobrecarregando ainda mais as cadeias de abastecimento globais e causando escassez de bens como automóveis e diminuindo os gastos dos consumidores.

O Produto Interno Bruto (PIB) avançou apenas 0,5% no terceiro trimestre, informou o Departamento do Comércio do país em sua estimativa antecipada nesta quinta-feira, 28. A taxa anualizada ficou em 2% ante os 6,7% do segundo trimestre. 

O resultado é mais baixo desde o segundo trimestre de 2020, quando a economia sofreu uma contração histórica na esteira das medidas de restrição para conter a primeira onda de casos de covid-19. Agora, a variante Delta do coronavírus agravou a escassez de mão de obra em fábricas, minas e portos, prejudicando a cadeia de suprimentos.

Economistas ouvidos pela agência de notícias Reuters previam aumento do PIB de 2,7% na base anual. A inflação em alta, alimentada pela escassez em toda a economia, reduziu o crescimento. A redução do estímulo fiscal e o furacão Ida, que devastou a produção de energia offshore dos EUA no fim de agosto, também pesaram sobre a economia. 

Os gastos do consumidor, que respondem por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, cresceram a uma taxa de 1,6% após um ritmo de crescimento robusto de 12% no trimestre de abril a junho. Embora a falta de automóveis sejam responsáveis por uma boa parte da estagnação, a variante Delta também restringiu os gastos em serviços como viagens aéreas e jantares fora de casa.

Mas há sinais de que a atividade econômica acelerou no fim do trimestre. A onda de verão de infecções por coronavírus diminuiu e a vacinação avançou - a melhoria da situação da saúde pública ajudou a elevar a confiança do consumidor.

Além disso, menos americanos estão entrando com pedidos de seguro-desemprego. A tendência de melhoria nas condições do mercado de trabalho foi confirmada por um relatório separado do Departamento de Trabalho, mostrando que os pedidos iniciais de benefícios estaduais de desemprego tiveram queda de 10 mil pedidos para 281 mil na semana passada, o nível mais baixo desde meados de março de 2020. Foi a terceiro semana seguida em que o total de pedidos ficou abaixo dos 300 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.