PIB dos EUA fica abaixo do esperado; mercados comemoram

O mercado financeiro recebeu hoje com euforia a estimativa de crescimento do PIB norte-americano anualizado de 2,5% no segundo trimestre, muito abaixo dos 3,2% previstos. O número reforçou as apostas de que o banco central norte-americano (Fed) deve interromper o processo de alta de juros - que já dura dois anos - na próxima reunião marcada para o dia 8 de agosto.As bolsas dos Estados Unidos fecharam em alta. O índice Dow Jones - que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 1,07%. A Nasdaq - bolsa que negocia ações do setor de tecnologia e Internet - subiu 1,93%. Com uma possível parada no processo de alta dos juros nos estados Unidos, o mercado de ações ganha atratividade e acaba atraindo mais investidores. O resultado disso é a alta das ações.As principais Bolsas européias também refletiram a possibilidade do fim da alta de juros nos EUA. Em Londres, a alta foi de 0,77%. O índice da Bolsa de Paris subiu 0,55%. Na Bolsa de Frankfurt, a alta foi de 0,82%. Em Milão, as ações subiram 0,61% e, em Madri, 1,01%.No Brasil, o cenário não foi diferente. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) acompanhou o mercado norte-americano e fechou em alta de 1,34%, com 37.381 pontos. Operou entre a máxima de 37.522 pontos (+1,72%) e a mínima de 36.841 pontos (-0,13%). Com esse resultado, a Bolsa paulista passou a acumular altas de 2,05% em julho e de 11,73% em 2006. O movimento financeiro ficou em R$ 1,872 bilhão.O dólar comercial fechou a R$ 2,1740, em queda de 0,78%, apesar do leilão de compra de moeda norte-americana realizado hoje pelo Banco Central. O petróleo também foi influenciado pelo dado do PIB norte-americano. Como os EUA são os maiores consumidores do produto, o sinal de desaceleração do crescimento do país desestimulou as compras de contratos futuros de petróleo. Ao mesmo tempo, as expectativas de declaração de um cessar-fogo no Oriente Médio foram ampliadas por apelos de líderes mundiais. O contrato futuro do barril do petróleo com vencimento em setembro fechou em queda de 1,74%, cotado a US$ 73,24.Cenário ainda deve trazer oscilaçõesApesar do clima de comemoração hoje no mercado financeiro, há quem defenda que a desaceleração da economia não está trazendo para baixo a inflação, como seria o desejado. O núcleo do índice de preços para gastos com consumo ficou em 2,9%, em linha com as estimativas. Mas o índice total aumentou para 4,1%, ante 2% no primeiro trimestre. Nesse sentido, as atenções estarão concentradas no resultado do índice de preços dos gastos com consumo pessoal (PCE) de junho, que acompanha o relatório de renda pessoal e gastos com consumo, a ser divulgado na próxima terça-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.