REUTERS/Mike Segar/File Photo
REUTERS/Mike Segar/File Photo

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

PIB dos EUA no 2º trimestre é revisto para queda menor, de 31,7%

Ainda assim resultado é o pior em 73 anos; enquanto a pandemia se arrasta do país, o número de pedidos de seguro-desemprego permanece em 1 milhão por semana

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2020 | 11h41

WASHINGTON - O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos no segundo trimestre foi revisto para queda de 31,7% na comparação com o mesmo período do ano passado, informou nesta quinta-feira, 27, o Departamento do Comércio americano. Há cerca de um mês, a queda do PIB americano entre abril e junho havia sido estimada originalmente em 32,9%.

Mesmo com a revisão, porém, o relatório do Departamento de Comércio confirmou que a economia dos EUA sofreu a contração mais forte em pelo menos 73 anos.

O resultado ainda ficou acima da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam retração de 32,4% no período.

Sob forte impacto da pandemia de covid-19, os gastos com consumo, que respondem por cerca de 70% do PIB dos EUA, sofreram queda anualizada de 34,1% no segundo trimestre, menor do que a retração de 34,6% calculada anteriormente.

Seguro-desemprego

O número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de seguro-desemprego permaneceu em torno de 1 milhão na semana passada, sugerindo que a recuperação do mercado de trabalho está estagnando conforme a pandemia se arrasta e a ajuda financeira do governo se esgota.

Os pedidos iniciais de seguro-desemprego totalizaram 1,006 milhão em dado ajustado sazonalmente na semana encerrada em 22 de agosto, contra 1,104 milhão na semana anterior, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta. Economistas consultados pela agência de notícias Reuters projetavam 1 milhão de pedidos.

A reabertura de empresas em maio ajudou a reduzir os pedidos ante o recorde de 6,867 milhões em março, quando estabelecimentos não essenciais foram fechados. Os pedidos foram abaixo de 1 milhão no início deste mês pela primeira vez desde que a pandemia começou nos EUA. / DOW JONES NEWSWIRES e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.