finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

PIB dos EUA reforça tendência de queda de juros

A primeira estimativa oficial do PIB dos Estados Unidos, divulgada nessa manhã, revela um crescimento de 1,4% no último trimestre de 2000. O resultado ficou abaixo da previsão média de expansão de 1,9% feita pelos analistas. Isso aumenta ainda mais a expectativa de um corte de juros nos Estados Unidos. Nessa tarde, o banco central dos Estados Unidos (FED) divulga a nova taxa de juros do país. Atualmente a taxa está em 6,0% ao ano e espera-se um corte de 0,5 ponto porcentual. A política de redução dos juros teve início em 3 de janeiro e tem como objetivo evitar um desaquecimento forte da economia norte-americana. Porém, alguns analistas acreditam que já é tarde, ou seja, existe ainda um grande risco de recessão.No Brasil, o mercado de juros é o mais influenciado pela expectativa de redução dos juros norte-americanos, pois abre a possibilidade de corte de juros mais expressivo no Brasil. A taxa básica de juros - Selic - está em 15,25% ao ano e será reavaliada na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), nos dias 13 e 14 de fevereiro. Veja como está o mercado financeiroA Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em leve alta de 0,17%. O dólar comercial está cotado a R$ 1,9730 na ponta de venda dos negócios - alta de 0,31% em relação aos últimos negócios de ontem. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 15,390% ao ano, frente a 15,440% ao ano registrados ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.