Daniel Slim/AFP - 12/12/2021
Daniel Slim/AFP - 12/12/2021

PIB dos EUA recua 0,4% no 1º trimestre, primeira queda desde a recessão pela pandemia

Recuo foi de 1,4% na taxa anualizada, segundo o Departamento de Comércio americano

Lucia Mutikani, Reuters

28 de abril de 2022 | 10h47

WASHINGTON - O Produto Interno Bruto dos Estados Unidos recuou no primeiro trimestre de 2022, período em que o ressurgimento nos casos de Covid-19 afetou a economia local.

O PIB americano caiu 0,4% no primeiro trimestre de 2022, o equivalente a 1,4% na taxa anualizada, disse o Departamento de Comércio. Este foi o primeiro declínio desde a recessão causada pela pandemia há quase dois anos. A economia cresceu a um ritmo forte de 6,9% no quarto trimestre.

Economistas questionados pela Reuters haviam previsto que a economia cresceria a uma taxa de 1,1%. As estimativas variavam de uma contração de 1,4% a crescimento de 2,6%.

A queda na produção refletiu um déficit comercial e um ritmo moderado de acúmulo de estoques. Embora o número possa levar a temores de estagflação e recessão em alguns trimestres, não é um reflexo verdadeiro da economia. Os gastos dos consumidores foram sólidos e o investimento empresarial em equipamentos acelerou acentuadamente.

O Federal Reserve (Fed), o banco central americano, deverá aumentar a taxa de juros em 50 pontos-base na próxima quarta-feira, e em breve começará a cortar sua carteira de ativos. O Fed aumentou sua taxa de juros em 25 pontos em março, o primeiro aumento em mais de três anos, conforme combate a inflação. Os preços anuais ao consumidor aumentaram em março em seu ritmo mais rápido em 40 anos.

Mesmo com o aumento dos preços dos alimentos e da gasolina, ainda não há sinal de que o consumo esteja recuando.

O fortalecimento das condições do mercado de trabalho foi reforçado por um relatório separado do Departamento do Trabalho, nesta quinta-feira, mostrando que os pedidos iniciais de auxílio-desemprego caíram em 5.000, para 180.000, na semana encerrada em 23 de abril.

Ainda assim, permanece o receio de que o Fed possa apertar agressivamente a política monetária e levar a economia à recessão ao longo dos próximos 18 meses.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.