Estadão
Estadão

PIB fraco e greve de caminhoneiros abatem cálculos para economia

No primeiro trimestre, o PIB brasileiro teve alta de 0,4%, divulgou o IBGE; projeções para o ano caíram para 2%

Vinicius Neder, Daniela Amorim e Renata Batista, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2018 | 09h00
Atualizado 30 Maio 2018 | 22h07

RIO - O crescimento econômico de 0,4% no primeiro trimestre ante o quarto trimestre de 2017 confirmou a recuperação lenta da economia após a recessão de 2014 a 2016, informou nesta quarta-feira, 30, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

+ Mercado relata a BC temor de contágio da greve dos caminhoneiros na atividade econômica

+ Governo central tem superávit primário de R$ 7,187 bi em abril

O órgão classificou a recuperação de “gradual”, mas tudo pode ir por terra no segundo trimestre, por causa da greve de caminhoneiros que parou as estradas Brasil afora desde a semana passada.

A frustração da possibilidade de um crescimento mais acelerado no primeiro trimestre já serviria de gatilho para uma série de revisões nas projeções para o crescimento econômico de 2018, o movimento dos caminhoneiros acelerou o processo. Diante desse novo cenário, economistas ouvidos pelo Estadão/Broadcast esperam, na média, alta de 2,0% no Produto Interno Bruto (PIB) deste ano. Na edição mais recente do Boletim Focus, as projeções de analistas apontavam para crescimento de 2,37%.

+ O PIB fraco e a inflação abaixo da meta

Há quem não descarte recuo no segundo trimestre e crescimento na faixa de 1,0% neste ano. Para a economista Monica de Bolle, pesquisadora do Instituto Peterson de Economia Internacional e professora da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, o crescimento deverá ficar ao redor de 1,5% em 2018. “É difícil imaginar que a economia vá a algum lugar nesses meses até as eleições”, afirmou a pesquisadora.

+ Greve paralisa 70% das fábricas de cimento do País

Segundo ela, o quadro retratado no PIB do primeiro trimestre já mostrava indicadores “andando de lado”. Tanto a indústria quanto os serviços cresceram apenas 0,1% em comparação aos três últimos meses do ano passado. Com alta de 0,6% na mesma comparação, abaixo dos 2,1% no quarto sobre o terceiro trimestres do ano passado, os investimentos “não pegaram”. “Não tinha de onde vir impulso para 2018. Em 2017, tivemos a safra recorde, a liberação do FGTS e a queda da inflação, que não se repetem”, disse.

+ 'Até o fim de semana, a situação irá se normalizar', diz presidente da Raízen

Impulso. No primeiro trimestre, a queda da inflação – ao lado da expansão do crédito – ainda impulsionou o avanço de 2,8% no consumo das famílias em relação a igual período do ano passado. Segundo Monica, a piora do cenário externo – a alta de juros nos Estados Unidos fez o dólar subir no mundo todo em abril e maio – já era um sinal negativo e, agora, a greve dos caminhoneiros e suas repercussões atingirão em cheio os investimentos.

+ Resultado confirma retomada, mas incerteza aumenta

Para Rebeca Palis, coordenadora das Contas Nacionais do IBGE, a greve dos caminhoneiros poderá ter reflexos na inflação, nas vendas do comércio e no volume de serviços prestados. Rebeca citou ainda o comércio de bens perecíveis e o transporte de carga, mas acredita em contaminação também nas importações e exportações. “Óbvio que pega a economia toda, existe um efeito em cadeia aí, mas não é imediato”, disse a pesquisadora do IBGE.

+ Forças Armadas estimam precisar de R$ 80 mi extras para cumprir 'missões' dadas pelo governo

Na visão do economista Claudio Considera, coordenador do Núcleo de Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), o crescimento econômico deste ano pode ficar abaixo de 2,0%, mas tudo dependerá da conjuntura depois da greve dos caminhoneiros. “Se começar a parecer com desgoverno, aí que os empresários não investem”, disse.

Eleições. Já Monica de Bolle teme que esse cenário se estenda para além das eleições, dificultando, no próximo governo, a aprovação de reformas consideradas necessárias para impulsionar a economia. Em primeiro lugar porque as reformas acabaram associadas à impopularidade do governo Michel Temer. Em segundo, porque o movimento dos caminhoneiros expôs um “curto-circuito” em relação aos caminhos para tirar a economia do buraco.

“A população está desgastada com tudo o que se passou no País e agastada com a corrupção, achando que nada presta, mas que um monte de coisa tem que ser feita. Ao mesmo tempo, não legitima que essas coisas sejam feitas pela via do aumento de impostos ou corte de gastos”, disse a economista.

Estimativas. A greve dos caminhoneiros levou o Santander a cortar sua projeção de crescimento para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano em 0,7 ponto porcentual. “Vínhamos com (uma previsão de alta de) 3,2% desde outubro. Já íamos revisar para algo mais perto de 2,5% por causa dos resultados do começo deste ano. Mas a decisão de 2% foi por conta da greve, considerando seus efeitos diretos e indiretos”, disse o economista do banco Rodolfo Margato.

Para o segundo trimestre, o Santander ainda reviu sua projeção do PIB de 0,8% para 0,2%. Segundo Margato, além da redução da produção nos setores que foram obrigados a parar por causa do protesto dos caminhoneiros, a confiança do consumidor e do investidor deverá recuar nos próximos meses, puxando a economia para baixo.

O economista Alberto Ramos, do Goldman Sachs, também destacou, em relatório, a queda da confiança do consumidor e dos empresários já em abril e revisou sua previsão para o PIB do ano de 2,3% para 2%.

A coordenadora do boletim de macroeconomia do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da FGV, Silvia Matos, projeta, com base em dados preliminares, um impacto da greve em cerca de R$ 15 bilhões no PIB deste ano. Segundo ela, isso significa um recuo de 0,2% na previsão de crescimento, resultando em um PIB de 1,9% em 2018.

O Itaú já vinha mais pessimista, com uma projeção de 2% no PIB, e ainda não incorporou os resultados das paralisações do transporte de cargas. “O impacto de curto prazo (que inclui apenas a interrupções nas cadeias de produção e suprimentos, e não considera os efeitos na confiança) não deve chegar a 0,4 ponto porcentual no resultado do segundo trimestre”, afirmou o economista do banco Artur Passos.

Líder. Segmento da economia que registrou o melhor desempenho no primeiro trimestre deste ano, com alta de 1,4% na comparação com o último trimestre de 2017, a agropecuária sairá bastante abalada da greve dos últimos dias, de acordo com Margato, do Santander. “O agro deverá mostrar o pior resultado do segundo trimestre em termos de impacto. A produção se perdeu, os produtos não são estocáveis, como o das montadoras de carros.” Segundo ele, produções como a de suínos poderão levar até cinco meses para se recuperarem.

As projeções do Santander apontam ainda que a agropecuária deverá registrar uma queda de 9,3% no segundo trimestre na comparação com o mesmo período do ano passado. Nessa mesma base de comparação, o setor recuou 2,6% no primeiro trimestre deste ano. / COM LUCIANA DYNIEWICZ E ADRIANA FERNANDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.