mercado

Neon compra Magliano, a primeira corretora registrada na bolsa de valores do Brasil

PIB no 1º trimestre deve ter ajuda do setor externo

Desaceleração do consumo e arrefecimento da atividade doméstica, segundo especialistas, têm reduzido o crescimento das importações

IDIANA TOMAZELLI / RIO, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2014 | 03h10

Após subtrair 0,9 ponto porcentual do crescimento do produto interno bruto (PIB) em 2013, de 2,3%, o setor externo deve dar uma contribuição positiva para a economia no primeiro trimestre deste ano. Mas as razões para a mudança não devem ser comemoradas, já que não há sinalização de vigor nas exportações. Pelo contrário, por trás disso está o arrefecimento da atividade doméstica e a desaceleração do consumo, que fizeram com que o volume de importações crescesse menos do que o previsto na comparação com o primeiro trimestre do ano passado.

Nos cálculos da consultoria Tendências, o PIB deve crescer 1,4% nos três primeiros meses de 2014 em relação a igual período do ano passado.

Dessa taxa, o setor externo deve responder por 0,15 ponto porcentual - resultado de uma alta de 3,2% no volume de exportações e de 1,7% nas importações, já no sistema de contabilização utilizado no PIB. A estimativa leva em conta dados de volume divulgados pela Funcex.

O outro 1,25 ponto porcentual virá da chamada "absorção interna" (que reúne o consumo das famílias, do governo e a formação bruta de capital fixo, a FBCF, conta que mede os investimentos).

A dinâmica do setor externo revela uma piora na atividade doméstica, principalmente quando analisadas as importações. A economista Alessandra Ribeiro, sócia da Tendências, esperava inicialmente um crescimento de aproximadamente 3% nas compras do exterior. No caso das exportações, o esperado era uma alta na casa de 12%.

"O ajuste se dará não porque as exportações estão bem, mas sim porque as importações estão crescendo menos", afirma. "Em linhas gerais, quando se olha a importação, o pano de fundo é o cenário com atividade mais fraca e o arrefecimento do consumo."

O economista-chefe da INVX Global, Eduardo Velho, atenta para o fato de que não se trata apenas da menor propensão de consumo entre as famílias. "A fonte dessa desaceleração é o arrefecimento interno do consumo e também do investimento", observa. O economista espera desempenho um pouco melhor da economia, com avanço de 1,7% ante o primeiro trimestre de 2013, também com contribuição positiva do setor externo "por motivos ruins".

A contabilidade das exportações e importações no PIB é diferente da realizada na balança comercial. No PIB, entram bens e serviços, e as variações porcentuais divulgadas dizem respeito ao volume. Já na balança comercial, entram apenas bens, e o registro é feito em valores, com influência de preços.

Razões. "São razões negativas que fazem (o setor externo) ter esse impacto positivo (no PIB)", resume o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro. "Há inadimplência elevada, geração de emprego menor e inflação mais alta, sem falar no medo do que vem por aí (em relação a preços). As pessoas deixam de consumir."

Os principais setores atingidos pela redução nas importações são os bens de capital, as matérias-primas e os produtos intermediários para a indústria, além dos combustíveis. Na contramão, a compra de gás natural deve crescer, por conta do uso intenso de usinas termoelétricas para geração de energia.

Além disso, segundo Castro, importações de combustíveis e lubrificantes feitas pela Petrobrás em 2012 foram postergadas e contabilizadas apenas no início de 2013. Isso não ocorreu este ano, o que deve contribuir para redução no ritmo.

Nas exportações, os bens de capital também aparecem em queda, mas o principal peso negativo são os automóveis, muito afetados pela crise na Argentina, o principal mercado dessa indústria. Por outro lado, o crescimento nos embarques tem se sustentado em função do aumento no volume exportado de minério de ferro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.