Imagem Fábio Alves
Colunista
Fábio Alves
Conteúdo Exclusivo para Assinante

PIB, PIB, PIB!

Economia precisa de ampla agenda de reformas para reduzir desemprego e crescer

Fábio Alves*, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2019 | 04h00

Cada vez mais a partir de agora os ativos brasileiros, em particular a Bolsa de Valores, passarão a reagir com maior intensidade aos indicadores de atividade econômica, deixando de lado o foco apenas na situação fiscal do País e na aprovação da reforma da Previdência pelo Congresso.

Na mais recente pesquisa Focus, do Banco Central, o consenso das projeções de analistas aponta um crescimento de 0,82% do PIB neste ano. Como a frustração com o desempenho da economia em 2019 já está no preço dos ativos, o foco agora é com o PIB de 2020, cuja estimativa dos analistas é de uma expansão de 2,10%.

Assim, ao longo deste segundo semestre, os investidores devem ficar mais sensíveis aos dados de confiança de empresários e consumidores, de desemprego, de vendas ao varejo e de produção industrial.

No curto e médio prazos, o nome do jogo para novos ganhos no Ibovespa, principal índice do mercado acionário doméstico, será o diferencial de crescimento do PIB entre o Brasil e o resto do mundo, especialmente os desenvolvidos, como os Estados Unidos e os da zona do euro.

Obviamente, sem aprovação de uma reforma da Previdência robusta, um colapso nas contas fiscais é quase inevitável e isso não só frustraria o crescimento econômico, como elevaria o risco de o País entrar em recessão.

Mas os investidores estrangeiros, por exemplo, vão exigir mais do que a sustentabilidade da dívida pública e o controle do déficit fiscal antes de voltar a aplicar seus recursos em ativos brasileiros. O crescimento do PIB a taxas mais elevadas será essencial para a volta do capital estrangeiro.

Em 2019, até o dia 1.º deste mês, o saldo acumulado de capital estrangeiro na Bolsa estava negativo em R$ 11,260 bilhões. Os investidores estrangeiros retiraram seus recursos da Bolsa brasileira apesar do Ibovespa ter registrado, nesse período, uma alta de 16,20%.

O crescimento do PIB ganha maior relevância com a piora do ambiente externo, especialmente com o acirramento da tensão comercial entre Estados Unidos e China. A imposição de mais tarifas de importação de produtos chineses pelos americanos e a consequente retaliação por parte da China, que deixou a sua moeda desvalorizar para além do patamar psicológico de 7 yuans por dólar, reacenderam os temores de uma recessão global.

Como o foco da equipe econômica foi apenas na aprovação da reforma da Previdência nos primeiros sete meses de governo, pouco se avançou em outras agendas para estimular o investimento e o consumo.

A liberação de saque de R$ 500 das contas ativas e inativas do FGTS é positiva, mas deve ter um impacto limitado no crescimento, apesar de o governo estimar uma injeção de R$ 30 bilhões na economia em 2019 e de R$ 12 bilhões em 2020.

Já a Medida Provisória da Liberdade Econômica, que reduz a burocracia e os entraves à produção e a novos empreendimentos, foi aprovada numa comissão especial, mas está parada na Câmara dos Deputados.

A reforma tributária, essencial para melhorar o ambiente de negócios, encontra-se numa encruzilhada de diferentes propostas – da Câmara, do Senado, de governadores, de empresários e do próprio governo. Difícil é enxergar um consenso para avançar em mudanças que simplifiquem o nosso complexo sistema de impostos.

Não à toa, os índices de confiança de empresários e consumidores seguem patinando. Em julho, a confiança da indústria caiu para o menor nível desde outubro de 2018. Em médias móveis trimestrais, a confiança do consumidor registrou a quinta queda consecutiva.

Por outro lado, o Índice de Confiança Empresarial subiu em julho pelo segundo mês seguido, com a aprovação da reforma da Previdência em primeiro turno na Câmara.

Outro fator que pode melhorar o sentimento de empresários e consumidores é o corte da taxa Selic. Na sua última reunião, o Copom baixou os juros em 0,50 ponto porcentual, para 6,0%. A inflação vem surpreendendo para baixo e as expectativas inflacionárias seguem bem comportadas, o que, com a atividade fraca, permitirão ao BC continuar reduzindo a Selic.

Todavia, juros mais baixos não conseguirão, por si só, alavancar a economia. Sem a aprovação de uma agenda ampla de reformas, dificilmente haverá uma redução do desemprego, que atinge quase 13 milhões de brasileiros. E sem emprego, o crescimento não vem.

*É COLUNISTA DO BROADCAST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.