bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Imagem Fábio Alves
Colunista
Fábio Alves
Conteúdo Exclusivo para Assinante

PIB, PIB, PIB!

Economia precisa de ampla agenda de reformas para reduzir desemprego e crescer

Fábio Alves*, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2019 | 04h00

Cada vez mais a partir de agora os ativos brasileiros, em particular a Bolsa de Valores, passarão a reagir com maior intensidade aos indicadores de atividade econômica, deixando de lado o foco apenas na situação fiscal do País e na aprovação da reforma da Previdência pelo Congresso.

Na mais recente pesquisa Focus, do Banco Central, o consenso das projeções de analistas aponta um crescimento de 0,82% do PIB neste ano. Como a frustração com o desempenho da economia em 2019 já está no preço dos ativos, o foco agora é com o PIB de 2020, cuja estimativa dos analistas é de uma expansão de 2,10%.

Assim, ao longo deste segundo semestre, os investidores devem ficar mais sensíveis aos dados de confiança de empresários e consumidores, de desemprego, de vendas ao varejo e de produção industrial.

No curto e médio prazos, o nome do jogo para novos ganhos no Ibovespa, principal índice do mercado acionário doméstico, será o diferencial de crescimento do PIB entre o Brasil e o resto do mundo, especialmente os desenvolvidos, como os Estados Unidos e os da zona do euro.

Obviamente, sem aprovação de uma reforma da Previdência robusta, um colapso nas contas fiscais é quase inevitável e isso não só frustraria o crescimento econômico, como elevaria o risco de o País entrar em recessão.

Mas os investidores estrangeiros, por exemplo, vão exigir mais do que a sustentabilidade da dívida pública e o controle do déficit fiscal antes de voltar a aplicar seus recursos em ativos brasileiros. O crescimento do PIB a taxas mais elevadas será essencial para a volta do capital estrangeiro.

Em 2019, até o dia 1.º deste mês, o saldo acumulado de capital estrangeiro na Bolsa estava negativo em R$ 11,260 bilhões. Os investidores estrangeiros retiraram seus recursos da Bolsa brasileira apesar do Ibovespa ter registrado, nesse período, uma alta de 16,20%.

O crescimento do PIB ganha maior relevância com a piora do ambiente externo, especialmente com o acirramento da tensão comercial entre Estados Unidos e China. A imposição de mais tarifas de importação de produtos chineses pelos americanos e a consequente retaliação por parte da China, que deixou a sua moeda desvalorizar para além do patamar psicológico de 7 yuans por dólar, reacenderam os temores de uma recessão global.

Como o foco da equipe econômica foi apenas na aprovação da reforma da Previdência nos primeiros sete meses de governo, pouco se avançou em outras agendas para estimular o investimento e o consumo.

A liberação de saque de R$ 500 das contas ativas e inativas do FGTS é positiva, mas deve ter um impacto limitado no crescimento, apesar de o governo estimar uma injeção de R$ 30 bilhões na economia em 2019 e de R$ 12 bilhões em 2020.

Já a Medida Provisória da Liberdade Econômica, que reduz a burocracia e os entraves à produção e a novos empreendimentos, foi aprovada numa comissão especial, mas está parada na Câmara dos Deputados.

A reforma tributária, essencial para melhorar o ambiente de negócios, encontra-se numa encruzilhada de diferentes propostas – da Câmara, do Senado, de governadores, de empresários e do próprio governo. Difícil é enxergar um consenso para avançar em mudanças que simplifiquem o nosso complexo sistema de impostos.

Não à toa, os índices de confiança de empresários e consumidores seguem patinando. Em julho, a confiança da indústria caiu para o menor nível desde outubro de 2018. Em médias móveis trimestrais, a confiança do consumidor registrou a quinta queda consecutiva.

Por outro lado, o Índice de Confiança Empresarial subiu em julho pelo segundo mês seguido, com a aprovação da reforma da Previdência em primeiro turno na Câmara.

Outro fator que pode melhorar o sentimento de empresários e consumidores é o corte da taxa Selic. Na sua última reunião, o Copom baixou os juros em 0,50 ponto porcentual, para 6,0%. A inflação vem surpreendendo para baixo e as expectativas inflacionárias seguem bem comportadas, o que, com a atividade fraca, permitirão ao BC continuar reduzindo a Selic.

Todavia, juros mais baixos não conseguirão, por si só, alavancar a economia. Sem a aprovação de uma agenda ampla de reformas, dificilmente haverá uma redução do desemprego, que atinge quase 13 milhões de brasileiros. E sem emprego, o crescimento não vem.

*É COLUNISTA DO BROADCAST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.