PIB pode recolocar Palocci na linha de tiro, diz jornal

O jornal Financial Times afirma hoje que a resistência da economia brasileira diante da crise políticas, as altas taxas de juros e a valorização do real, "pode finalmente estar chegando a um final". Segundo o diário financeiro, a economia cresceu durante oito trimestres consecutivos, mas muitos economistas prevêem que os números do terceiro trimestre vão mostrar, no mínimo, uma estagnação. "Na semana passada o ministro Antonio Palocci venceu um embate emergindo fortalecido em seu cargo. Uma economia em queda o colocaria novamente na linha de tiro", afirma o jornal britânico. O FT observa que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva insistiu na semana passada que a economia continua nos trilhos para atingir meta de crescimento do governo de 3,4% do PIB. "Mas membros do governo afirmam nos bastidores existir pouca possibilidade que a meta de Lula será cumprida", afirma o jornal. Uma das causas para isso é o escândalo político. "O governo vem sendo alvo nos últimos seis meses de acusações de compra de votos e financiamento ilegal de campanha, tornando os consumidores e investidores compreensivelmente cautelosos". O FT afirma, no entanto, que o maior impacto é causado pelos elevados custos dos empréstimos e do fortalecimento do real. Segundo o jornal, em dólares, o custo para a produção de um caminhão no Brasil é o mesmo que na Suécia, e maior do que no leste europeu. A alta do real também representa uma ameaça às exportações do País. O FT observa que se os indicadores que serão divulgados na quarta-feira forem negativos como alguns analistas esperam, isso poderá também ter um impacto negativo extra. "Antônio Palocci, campeão da austeridade que tem garantido a estabilidade e respeitabilidade internacional do Brasil, está sob crescente ataque de outros ministros ansiosos em incentivar expansão com a aproximação da temporada eleitoral no próximo ano", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.