Mike Segar/Reuters
Mike Segar/Reuters

coluna

Coluna Dan Kawa: Juro baixo é bom, mas impõe desafio ao investidor

PIB será afetado se governo não encerrar greve, alerta Moody's

Diretor da agência de classificação de risco avalia que manutenção da greve vai piorar clima social e político no Brasil

Ricardo Leopoldo, correspondente, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2018 | 14h02

NOVA YORK - Caso a greve dos caminhoneiros avance por algumas semanas, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil no segundo trimestre pode ser afetado, comentou ao Broadcast Alfredo Coutino, diretor para a América Latina da Moody´s Analytics.

"Se a volatilidade nos mercados financeiros piorar nos próximos dias devido às incertezas trazidas a consumidores e investidores com a paralisação, o câmbio depreciará e atingirá a inflação", ponderou. Na semana passada, a Bolsa brasileira acumulou queda de 5,04%, pior resultado desde o caso JBS.

+ Greve de caminhoneiros segue no foco e Bolsa cai mais de 3%

Para Coutino, o clima social e político no Brasil pode deteriorar se o governo não for capaz de encerrar a greve logo, inclusive porque há o contexto das eleições presidenciais deste ano. "O prolongado bloqueio provocou insatisfação e agitação popular, o que impõe uma ameaça à atividade da economia", ressaltou.

+ Guardia diz que do ponto de vista fiscal, programa de subvenção não traz risco para meta fiscal

Alfredo Coutino, contudo, ressalta que há um cenário favorável para a economia do Brasil e estima que o PIB subirá 2,3% neste ano. Para ele, a inflação ainda está bem baixa, devido ao grande hiato do produto causado pela recessão de 2015 e 2016. Ele acredita que o Banco Central manterá a taxa Selic em 6,50% ao ano até dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.