Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
PIB sobe 0,1% em 2014, o pior desempenho do 1º mandato de Dilma

PIB sobe 0,1% em 2014, o pior desempenho do 1º mandato de Dilma

Com recuo de 4,4%, investimentos derrubaram o PIB de 2014; indústria caiu 1,2%, enquanto a agricultura subiu 0,4% e os serviços avançaram 0,7%

O Estado de S. Paulo

27 de março de 2015 | 09h00





Texto atualizado às 10h

A economia brasileira pisou no freio em 2014. O Produto Interno Bruto (PIB) - soma do valor final de todos os bens e serviços produzidos no País - ficou praticamente estagnado e avançou apenas 0,1%, segundo divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira, 27. Foi o desempenho mais fraco do primeiro mandato de Dilma Rousseff e também o pior desde 2009, auge da crise, quando o PIB caiu 0,2%. 

O PIB do quarto trimestre de 2014 cresceu 0,3% em relação ao terceiro trimestre de 2014, mas caiu 0,2% ante o mesmo período do ano anterior. 

A desaceleração foi generalizada em 2014, afirmou a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis. "Em 2014, todas as atividades econômicas tiveram taxa de crescimento menor do que em 2013, com exceção da indústria extrativa", afirmou Rebeca. Segundo o IBGE, a indústria extrativa mineral avançou 8,7% no ano passado, o maior crescimento entre as 12 atividades. O segmento pesa 4% no valor adicionado total da economia. 

A estagnação da economia trouxe uma série de recordes negativos. Os investimentos recuaram 4,4% no ano passado, a maior queda desde 1999. Em 2013, haviam avançado 6,1%. Segundo o IBGE, a queda dos investimentos foi o que travou o crescimento da economia.

O investimento é uma medida para estimar se os setores da economia vão aumentar a produção. Em outras palavras, se o investimento cai, o PIB não deve mostrar reação tão cedo. Analistas avaliam que, em 2015, a economia pode aprofundar o estado de estagnação e recuar até 1,5%, nas projeções mais pessimistas. Ontem, o Banco Central divulgou estimativa de queda de 0,5% no PIB em 2015.

Segundo o IBGE, o fraco investimento em 2014 ocorreu por conta da queda da produção interna e da importação de bens de capital. Pesou também o desempenho negativo da construção civil. A taxa de investimento da economia brasileira em 2014 ficou em 19,7%, menor patamar desde 2009, quando ficou em 19,2%.

A indústria também puxou o desempenho para baixo e recuou 1,2% no ano passado - número superado apenas pelo resultado negativo de 2009, quando desabou 4,8%. A indústria de transformação (-3,8%) e a produção e distribuição de eletricidade de gás e água (-2,6%) foram os destaques negativos. Ainda entre os setores, a agricultura avançou 0,4% e o setor de serviços subiu 0,7%, o menor resultado desde 1996.

Consumo. o consumo das famílias, um dos motores da economia nos anos recentes, sofreu forte desaceleração e saiu de uma alta de 2,9% em 2013 para avanço de 0,9% no ano passado - o menor desempenho desde 2003, quando encolheu 0,7%. Segundo Rebeca Palis, do IBGE, o freio no crédito afetou o consumo das famílias.

O saldo de operações de crédito no sistema financeiro nacional para pessoas físicas teve crescimento nominal de 5,8% em 2014. No mesmo período, a inflação oficial medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), acumulou alta de 6,41%. . "A massa salarial continua crescendo (4,1%). Mas, por outro lado, o crédito específico para Pessoa Física teve crescimento nominal de 5,8%, então, se você olhar pelo IPCA, o crédito não está mais crescendo em termo real", justificou.

No setor externo, as exportações diminuíram 1,1% em 2014 e tombaram no quarto trimestre - quedas de 12,3% em relação ao terceiro trimestre e de 10,7% ante o mesmo período do ano anterior. As importações, por sua vez, caíram 1% em 2014 e somaram recuos de 5,5% no quarto trimestre de 2014 contra o terceiro trimestre e de 4,4% ante um ano antes.

O PIB per capita - divisão do valor do PIB pelo número de habitantes do País -  ficou em R$ 27.229 em 2014, com queda de 0,7%. Em valores correntes, o PIB alcançou R$ 5,52 trilhões no ano passado.


Revisão. O IBGE revisou alguns dados sobre os anos anteriores, em função da mudança de metodologia de cálculo do PIB.O crescimento da economia em 2013 passou de 2,5% para 2,7%. O órgão também informou que a alta do PIB em 2012 passou de 1% para 1,8%.

A diferença é resultado da mudança no cálculo das Contas Nacionais, que passam a se adequar a recomendações internacionais, e da incorporação dos dados definitivos de 2011 como base, anunciados no último dia 11. Em novembro, o órgão publica as revisões definitivas para as contas anuais de 2012 e 2013. O trabalho de reformulação das Contas Nacionais levou três anos para ser concluído.

Conjuntura. Liderada pelo economista Joaquim Levy, a equipe econômica do segundo mandato do governo Dilma Rousseff está promovendo um "freio de arrumação" no Brasil: o chamado ajuste fiscal

O governo limitou os gastos dos ministérios e cortou investimentos, aumentou impostos e a taxa básica de juros (a Selic), além de liberar as amarras no câmbio. Tudo isso para reequilibrar as contas públicas, atingir a meta de superávit primário e manter o grau de investimento do País. A promessa é que, se tudo ocorrer como o esperado, a economia vai se aquecer já no fim de 2015 e fechar 2016 com crescimento, ainda que modesto.

(Hugo Passarelli, Daniela Amorim, Idiana Tomazelli, Mariana Durão e Vinicius Neder)

Tudo o que sabemos sobre:
PIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.