PIB terá crescimento médio de 4% em 3 anos, diz Mantega

O ministro do Planejamento, Guido Mantega, disse hoje que o País terá um crescimento médio do Produto Interno Bruto (PIB) de 4% nos próximos três anos. "Em 2003 colocamos as fundações e agora vamos construir o prédio, em cima de pilares sólidos, que não tínhamos", afirmou. Segundo Mantega, o crescimento será possível sem esbarrar em problemas de logística ou na capacidade produtiva das empresas porque haverá investimentos em infra-estrutura, em parceria com o setor privado, especialmente nas áreas de energia e transporte. OrçamentoO governo vai definir junto ao Congresso de onde sairão os recursos adicionais estimados em R$ 6 bilhões para o Orçamento de 2004. Guido Mantega disse que esses recursos se referem basicamente ao fundo de compensação das exportações e que "é normal que sejam feitas adequações". Apesar da estimativa dos R$ 6 bi, ele disse que ainda não é possível apontar de onde virão os recursos porque "primeiro é preciso saber o tamanho exato da conta, para depois pagá-la". Mantega disse várias vezes que o Orçamento de 2004, com previsão de receita de R$ 402 bilhões, é "realista". E afirmou: "Nosso propósito é que o espírito realista que nos tomou baixe também sobre a Câmara e os parlamentares sejam comedidos com as emendas (no Orçamento)". Ele fez palestra para empresários do setor de petróleo na Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan).Cide para o setor de transportesA Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico (Cide) poderá ser em parte direcionada para um fundo de financiamento do setor de transportes, segundo disse o ministro Guido Mantega. Segundo ele, o governo, no que diz respeito à infra-estrutura de transporte, está dando preferência inicial ao sistema de concessões, e está estudando a possibilidade da Cide como opção de financiamento para o setor privado. Mantega disse que até o final deste ano deverão estar resolvidas as pendências legais para licitação de seis lotes para concessão de rodovias federais, que está suspensa judicialmente. A partir do próximo ano, haverá "pelo menos" 18 novos lotes a serem licitados. "Vai ter pedágio nas rodovias federais, mas pelo menos elas serão transitáveis", disse. Segundo ele, cerca de 6.000 km de rodovias federais no País são passíveis de pedágio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.