Thiago Teixeira/Estadão
Thiago Teixeira/Estadão

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

PIB teve alta de 0,2% em agosto, diz FGV

Trata-se do terceiro resultado positivo consecutivo registrado pelo Monitor do PIB, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Economia da fundação

O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2017 | 23h24

RIO – O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro voltou a crescer na passagem de julho para agosto. A alta de 0,2% é o terceiro resultado positivo consecutivo registrado pelo Monitor do PIB, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

O indicador antecipa a tendência da atividade econômica por meio das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial das Contas Nacionais.

“O PIB está realmente recuperando. A economia está descolada da política. A política está uma bagunça, um vendaval, mas a economia está indo bem. O que não pode é deixar parar as reformas, senão interrompe o círculo virtuoso”, disse Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV.

A alta em agosto foi fruto do bom desempenho da agropecuária, mas também de segmentos que começam a mostrar sinais de melhora, ressaltou Considera. Fundamentais para uma recuperação mais consistente da economia a médio e longo prazos, a construção civil e a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) avançaram em agosto em relação a julho.

Na comparação com agosto do ano passado, o PIB subiu 2%, a quarta taxa positiva seguida. O Ibre/FGV prevê que o PIB do terceiro trimestre tenha um aumento de 1,5% em relação ao mesmo período de 2016.

No trimestre móvel encerrado em agosto, o PIB registrou um crescimento de 1,1% em comparação ao mesmo período do ano anterior. Os destaques foram os desempenhos da agropecuária (12%), extrativa mineral (3,5%), indústria da transformação (1,9%), comércio (3,5%) e transportes (2,9%). Houve retração na construção (-6%) e serviços de informação (-3,6%).

O consumo das famílias aumentou 1,8% no trimestre terminado em agosto ante o mesmo período de 2016. O consumo de bens não duráveis cresceu 1,3%; o de semiduráveis, 9,0%; e o consumo de duráveis, 9,3%. A única taxa negativa foi a de consumo de serviços (-0,5%). A Formação Bruta de Capital Fixo teve retração de 3,0% no trimestre móvel até agosto em relação ao mesmo trimestre em 2016, mas o componente de máquinas e equipamentos subiu 5,1%.

“Máquinas e equipamentos são investimentos. Os empresários estão se preparando para novos ciclos de investimentos”, disse Considera.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.