coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Picapes ficam mais ‘brutas’ por fora e confortáveis por dentro

Modelos de mais de R$ 120 mil esbanjam força, estilo e design em um mercado cada vez mais disputado

The New York Times,

20 de maio de 2013 | 10h58

 NOVA YORK - O visual das picapes é considerado tão importante que a General Motors escalou para a tarefa de desenhálas o seu melhor profissional de design: o desenhista das Corvettes Tom Peters.

As novas caminhonetes da GM não estão sozinhas no mercado. Outras marcas também estão renovando suas picapes para rodar tanto no campo quanto na cidade. Todas aparecem com aspecto robusto, 'nariz' achatado, grades contundentes e detalhes niquelados brilhantes.

"Há uma tendência em desenhos mais ousados", explica Peters. As grades dianteiras das picapes são cuidadosamente desenhadas para refletir a imagem das marcas em um mercado muito disputado.

Depois de tomar um tombo quando a economia esfriou em 2008, as vendas voltaram a crescer nos últimos meses. O aquecimento do setor da construção civil contribuiu para a expansão do segmento de caminhões e picapes.

Os fabricantes se esforçam para abocanhar um mercado altamente rentável, aperfeiçoando o designs dos seus modelos. A imagem de robustez ajuda a esconder o fato de que muitos dos caminhões e picapes com aspecto pesado por fora são confortáveis e leves por dentro, com estofamento de couro macio, acabamento de madeira e repletos de aparelhos eletrônicos.

A Ford diz que cerca de um terço de suas vendas vêm de versões mais sofisticadas vendidas a partir de US$ 35 mil  (cerca de R$ 70 mil). Não muito tempo atrás, uma picape US$ 50 mil parecia inimaginável. Agora, os preços podem passar dos US$ 60 mil (cerca de R$ 120 mil).

Os fabricantes apresentam as picapes grandes como uma ferramentas de trabalho. Mas, apesar dos anúncios com vaqueiros, agricultores e trabalhadores da construção civil, mais e mais picapes são usados como carros de família.

"Há uma grande diversidade entre os compradores", explica Joe Dehner, chefe de desin para os modelos Ram e Dodge. "As picapes não são necessariamente usadas para transportar cargas".

Para a Chevy Silverado 2014, que chegará às concessionárias em breve, Peters revisou o aspecto familiar. "Ficou mais alto e mais largo e ostenta um novo para-choques de peça única que enfatiza a sua horizontalidade".

Ele diz que os motoristas querem picapes que parecem caminhões."Precisa ser robusto, durável e com uma aparência agressiva, capaz de fazer um trabalho realmente duro na fazenda".

 A picape Ford F-150 foi redesenhada em 2009. Mas a F-150 atual tem muitas faces: dependendo do modelo ou do nível de acabamento, a grade tem múltiplas barras pequenas ou grandes pranchas de cromo, juntamente com diferentes formas e cores de padrões.

O conceito de caminhão Atlas, apresentado em janeiro no Salão do Automóvel de Detroit, prenuncia o desenho da próxima geração F-150, esperado no próximo ano.

O novo projeto da Toyota para a picape caminhão, exibida pela primeira vez no Salão do Automóvel de Chicago em Fevereiro, foi concebido no estúdio de design Calty, na Califórnia.

As grades dianteiras desempenham um papel fundamental na diferenciação dos modelos. "É quase incompreensível como as escolhas ficaram difíceis", afirma Peters.

A Ford oferece uma enorme variedade da F-150, desde o modelo básico até a King Ranch e as edições Harley-Davidson, com versões especiais e Platinum luxo. Segundo a montadora, os consumidores querem um veículo que possa ser personalizado em diferentes estilos.

A Ram 1500 vem em nove níveis de acabamento e oferece quatro tipos básicos de grade. A aerodinâmica, surpreendentemente, por trás dos ângulos rocustos, é cuidadosamente testada em túneis de vendo. A Chevrolet diz que cortou a resistência do ar em 5% na picape Silverado.

O caminhão Atlas tem persianas ajustáveis na grade, que fecham a velocidades mais elevadas para melhorara aerodinâmica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.