Rodrigo Cassimiro/PicPay
Rodrigo Cassimiro/PicPay

PicPay cresce na pandemia e tem 450 vagas de emprego abertas

Empresa de pagamentos passou de 14 milhões de usuários em 2019 para 38,8 milhões no ano passado; com planos de continuar em expansão, companhia deve abrir mais mil vagas até o fim do ano

Marina Aragão, O Estado de S.Paulo

01 de fevereiro de 2021 | 10h40

Com uma boa ajuda da pandemia de covid-19, a empresa de pagamentos PicPay viu o número de usuários quase triplicar no ano passado - passou de 14 milhões em 2019 para 38,8 milhões. E os planos são de continuar em expansão. Para dar conta disso, a empresa começou 2021 contratando: são 450 vagas abertas, basicamente na área de tecnologia, que devem ser preenchidas ainda no primeiro trimestre. Até o fim do ano, a expectativa é de abertura de mais mil vagas.

Com as contratações, a empresa prevê chegar ao fim de 2021 com cerca de 3,5 mil empregados. A ideia para este ano é ampliar os serviços na PicPay Store - loja virtual que traz opções como recarga de celular, pagamento de boletos, compra de crédito para jogos online e aplicativos de música e entrega.

Agora em fevereiro, a companhia também pretende lançar a opção de empréstimos pessoais. Já existe um piloto do produto, ao qual alguns clientes têm acesso. Nesse piloto, a oferta, o valor disponível e a quantidade de parcelas máximas são disponibilizados de acordo com a análise de crédito do perfil do cliente feita pelo parceiro da empresa, o Banco Original (as duas empresas fazem parte do grupo JBS). Após a aprovação, o dinheiro é depositado na carteira PicPay em até uma hora. A nova frente de negócios contará com uma base de 10 milhões de usuários.

De acordo com o PicPay, até março serão selecionadas pessoas em diferentes estágios de carreira, incluindo cargos de liderança. Algumas das vagas já foram anunciadas na página de empregos do PicPay e também no Linkedin da companhia. O restante será divulgado ao longo do trimestre. Pessoas de todo o Brasil - ou até de fora - poderão se candidatar, uma vez que as oportunidades são de trabalho flexível ou remoto.

“As melhores pessoas estão em vários lugares e o PicPay já nasceu uma empresa digital, então o home office sempre fez parte da nossa cultura. Apesar da pandemia, nós já trabalhávamos dessa maneira, o que facilita muito termos esse crescimento”, disse a responsável pela área de pessoas e cultura, Mariana Damiati

De acordo com Diogo Carneiro, responsável pela área de tecnologia da empresa, a busca é por profissionais "dispostos a contribuir com capital intelectual para propor soluções dentro da realidade do PicPay". Ele diz que, mais do que uma formação acadêmica e um bom currículo, a empresa quer pessoas “com os valores certos”. 

Ampliação pós-pandemia

O crescimento do PicPay no ano passado foi potencializada pelos programas de ajuda dos governos devido à pandemia. Com uma plataforma que já estava pronta e foi colocada em uso, o PicPay podia ser usado para receber o auxílio emergencial, do governo federal, e era obrigatório para quem recebia o auxílio de merenda escolar do governo do Estado de São Paulo e das prefeituras de Jacareí (SP) e Duque de Caxias (RJ). “No momento em que começa uma pandemia, a necessidade por acesso é ampliada por meios digitais. Acho que o crescimento foi natural. Conseguimos estar na mão de todo mundo”, disse Carneiro.

Além dos benefícios, Mariana Damiati destacou a necessidade dos pagamentos e da contratação de serviços a distância durante a crise. Segundo ela, a pandemia acelerou a mudança no comportamento das pessoas e facilitou para que a empresa, que já vinha crescendo, tivesse ainda mais oportunidades no mercado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.