Pimco troca dívida alemã por bônus italianos e espanhóis

A Pimco, maior gestora de fundos de bônus do mundo, decidiu substituir as dívidas dos governos da Alemanha e da França para comprar bônus italianos e espanhóis, informou nesta terça-feira o gestor de portfólio do fundo, Andre Bosomworth, em reunião com bancos na Alemanha.

STEFÂNIA AKEL, Agencia Estado

20 de novembro de 2012 | 18h53

Os bônus alemães não geram retorno suficiente, já que os que têm vencimento em 10 anos pagam 1,5%, disse Bosomworth. Ele acrescentou que os bônus do governo francês são muito caros. Já as dívidas dos governos da Itália e Espanha são financiadas pelo Banco Central Europeu (BCE), fazendo delas uma melhor aposta, afirmou.

Quando perguntado se ainda acredita em comprar dívidas de governos como forma de investimento, Bosomworth respondeu: "Sim e não. O preço precisa ser certo". Ele afirmou também que a França está se beneficiando de sua proximidade com a Alemanha. "Mas se você olhar a economia francesa, ela é mais parecida com a dos países do sul europeu. Então o preço não é adequado."

As afirmações de Bosomworth foram feitas um dia após a agência de classificação de risco Moody''s rebaixar o rating da França de Aaa para Aa1, com perspectiva negativa. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EuropadívidabônusPimco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.