Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Pimentel: reajuste de aposentados só depois do pré-sal

O ministro da Previdência Social, José Pimentel, disse hoje que a proposta de reajuste dos aposentados e pensionistas com benefícios acima do salário mínimo só será votada no Congresso depois da aprovação dos projetos relacionados ao pré-sal. "Tivemos uma reunião com todos os líderes da base do governo Lula na última semana e eles pediram um prazo para, terminada a votação do pré-sal, votar a matéria dos aposentados e pensionistas. Essa é uma demanda que vem de todos os líderes da base do governo e vamos atendê-la", disse, após se reunir com empresários na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

ANNE WARTH, Agencia Estado

16 de novembro de 2009 | 17h38

O projeto concede a 8,2 milhões de aposentados e pensionistas um reajuste de 6,3%, que repõe a inflação do período, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), e acrescenta um aumento real de 2,5%, que corresponde à metade do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2008. A proposta foi acertada com a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Força Sindical em agosto e deve resultar em um gasto extra de R$ 3 bilhões à Previdência. Já as demais centrais sindicais querem arrancar um reajuste real maior que o oferecido e os líderes da oposição prometem obstruir as votações referentes ao pré-sal para pressionar o governo.

Para o ministro, a demora em votar a proposta não deve prejudicar os segurados, que devem receber o benefício a partir de janeiro. "O reajuste será concedido a partir de 1º de janeiro e o pagamento será após 25 de janeiro", limitou-se a dizer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.