Pimentel vê câmbio ‘ótimo’ e rejeita impacto na inflação

O ministro destacou que a alta do dólar colabora para que o País e a indústria voltem a ser competitivos

Marcelo Portela, Agência Estado

20 de agosto de 2013 | 17h29

BELO HORIZONTE - Enquanto o Banco Central prosseguia na série de atuações segurar a cotação do dólar, que chegou a superar a marca de R$ 2,40 desde a véspera, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, avaliou em São João del-Rei, no Campo das Vertentes mineiro, que o câmbio no País está "ótimo".

Depois de participar, ao lado da presidente Dilma Rousseff, de evento oficial para anúncio de recursos para cidades históricas, Pimentel indicou que o governo deve atuar no mercado cambial apenas para manter o atual patamar. "Quando o dólar estava barato, reclamavam que a indústria estava mal. Agora que o dólar subiu, vão reclamar também? Acho que (o câmbio) está ótimo. Estamos chegando no ponto que precisa", declarou a jornalistas nesta terça-feira, 20.

De acordo com o ministro, as recentes baixas do real diante da moeda norte-americana colaboram para o País e "nossa indústria" voltem "a ser competitivos". "E isso é importante", salientou Pimentel, que descartou alta na inflação por causa do câmbio. "Não vai ter impacto inflacionário. Disso o ministro Guido Mantega (Fazenda) e Tombini (Alexandre Tombini, presidente do Banco Central) estão cuidando muito bem", declarou.

Tudo o que sabemos sobre:
dolar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.