Pioneer prevê quebra na produção de milho safrinha

O Brasil produzirá entre 5 milhões e 5,5 milhões de toneladas de milho safrinha em 2002, estima o diretor executivo da Pioneer Sementes, Daniel Glat. Ele estima que a quebra na produtividade nas lavouras de inverno por causa dos problemas climáticos vai provocar uma grande frustração na safra, que chegou a ser estimada em 8 milhões de toneladas. Esse aumento era esperado porque houve um crescimento na área plantada em relação a 2001. "A área plantada com milho safrinha cresceu entre 7% e 8% em 2002, mas a produtividade média das lavouras caiu 20%", afirma, lembrando que a empresa tem 75 representantes de campo espalhados pelo Brasil. "Esses técnicos relatam que a situação das lavouras de milho é muito ruim. A seca prolongada castigou as lavouras", completa. Hoje, em análise diária publicada no Agrovip, serviço de consultoria online para os mercados de soja e milho do www.agrocast.com.br, da Agência Estado, a Agroconsult estimou que a safrinha "não chegará perto dos 7 milhões de toneladas, como acreditam algumas instituições do setor". Nesta semana, a Federação da Agricultura do Estado de Goiás (Faeg) estimou que a produção brasileira será inferior a 7 milhões de toneladas. Segundo a análise distribuída no Agrovip, na melhor das hipóteses, a safrinha de milho será de 6 milhões de toneladas, caso não ocorra doenças fúngicas e sem problemas climáticos. "Não será surpresa, portanto, se a produção se finalizar em apenas 5 milhões de toneladas, bem abaixo da safra colhida no ano passado", informou a Agroconsult.Segundo Leonardo Sologuren, analista da MPrado, é possível que a previsão da Agroconsult se concretize, mas ele faz uma ressalva. "Voltou a chover no Paraná e algumas lavouras de milho safrinha que foram castigadas pelo clima seco podem se recuperar", afirma Sologuren. O técnico da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), Nelson Costa, confirma que voltou a chover no Estado e afirma que "as perdas podem não ser tão significativas quanto se espera". A estimativa atual da MPrado para a safrinha é de produção de 6,1 milhões de toneladas. "Se o clima voltar a ficar seco ou se houver a ocorrência de uma geada, a produção de milho safrinha poderá sim cair para 5 milhões de toneladas", afirma Sologuren. A Pioneer espera vender 1,2 milhão de sacos de sementes de milho para plantio da safra de verão de 2002/03. Cada saco de semente equivale a 20 quilos ou 60 mil sementes. Na safra de verão de 2001/02, a empresa vendeu 1,1 milhão de sacos de sementes. O diretor executivo da Pioneer Sementes, Daniel Glat, afirma que a empresa pretender aumentar sua participação no mercado brasileiro de sementes. Hoje, a Pioneer tem 25% do mercado total de sementes de milho. Esse porcentual sobe para 50% entre os produtores médios. "Orientamos os produtores a tentarem um ponto de equilíbrio entre soja e milho. Se o produtor continuar olhando para trás e plantar mais milho só porque a remuneração atual é boa, a próxima safra será de preços muito baixos", afirma Glat. A empresa estima que os preços atuais do milho ao produtor superam em 50% ou 60% os praticados em igual período de 2001. Para plantio na safrinha deste ano, a Pioneer vendeu 280 mil sacos de sementes de milho, ante 140 mil sacos em 2001. Leia mais sobre o assunto na seção Agrovip do site Agrocast.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.