Pior momento da economia ficou para trás, avalia Meirelles

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse hoje que o pior momento da economia brasileira ficou para trás. Segundo ele, a economia brasileira já retomou o processo de recuperação do nível de atividade. "O Brasil está crescendo em 2004. O pior já ficou para trás", disse ele, acrescentando que as perspectivas para o futuro são mais positivas do que no início do governo Lula. Para o presidente do BC, a crise que atingiu o País na virada de 2002 para 2003 já está debelada. "Diversos setores apresentam sinais claros de retomada do nível de atividade. Esses sinais estarão cada vez mais claros e disseminados por todos os segmentos", discursou ele para um grupo de empresários catarinenses na sede da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc). Meirelles destacou que países que tiveram que submeter suas economias a ajustes similares aos do Brasil em suas contas correntes sofreram retração de 7% a 15% em seus produtos nacionais. Mas o País, de acordo com Meirelles, pagou o preço desse ajuste por meio da desaceleração da atividade verificada, principalmente no primeiro semestre do ano passado. Graças ao sucesso das políticas adotadas, o presidente do BC disse que a retomada da recuperação do nível de atividade ocorreu num prazo muito menor do que o esperado. "No primeiro ano do governo, trabalhamos muito para debelar a crise. Foi um esforço, mas de extremo sucesso. Recuperamos a confiança por meio de um processo determinado de ajuste interno e externo, baseado na responsabilidade fiscal, no ajuste das contas externas e na manutenção da estabilidade macroeconômica com o regime de metas de inflação e câmbio flutuante", disse. Críticas ao governo Meirelles minimizou hoje as críticas que a condução da política monetária vem recebendo até mesmo de integrantes da base aliada do governo. De acordo com ele, as críticas fazem parte de um processo democrático.

Agencia Estado,

19 Março 2004 | 13h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.