Piora na Europa abala mercado e dólar sobe 0,69%, para R$ 2,039

Cenário:

CRISTINA CANAS , O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2012 | 03h10

A semana teve início com forte elevação da aversão ao risco em escala global. O sentimento dos investidores foi abatido pelo temor de que a Espanha - e não somente seus bancos - precise de um resgate formal em breve e pela preocupação de que a Grécia se torne insolvente e possa deixar a zona do euro. A saída é um risco que aumentou para o país, na avaliação feita pela Moody´s Investors Service após o fechamento dos mercados.

A agência de classificação de risco também rebaixou de estável para negativa a perspectiva dos ratings de Alemanha, Holanda e Luxemburgo e citou vulnerabilidade do sistema bancário alemão ao risco de piora na zona do euro. Devido ao horário do anúncio da decisão da Moody's, a notícia pesou mais fortemente no mercado de moedas, o mais líquido naquele momento. O euro caiu a US$ 1,2117 no final da tarde, em Nova York.

Internamente, ainda sem o efeito da decisão da Moody's, que ficou para hoje, o dólar terminou o pregão de ontem a R$ 2,039 no mercado à vista de balcão. A alta foi de 0,69%. O comportamento da moeda norte-americana replicou o movimento externo, mas os investidores mantiveram margens estreitas de negociação, com a percepção de que a equipe econômica continua disposta a intervir no câmbio, se considerar necessário.

No mercado de juros futuros, a piora externa e os dados do mercado de trabalho brasileiro, abaixo das expectativas em junho, mantiveram as taxas em queda na maior parte do dia. A busca por segurança também provocou recorde de baixa da taxa de retorno ao investidor (yield) dos papéis de 10 anos dos Estados Unidos e levou as taxas dos bônus espanhóis para os maiores níveis desde o lançamento do euro.

Já as bolsas tiveram perdas generalizadas ontem. Nos principais índices europeus as perdas foram da ordem de 3%. Em Nova York, a queda dos índices acionários chegou a superar 1% no início da tarde e, no final do dia, o Dow Jones mostrava recuo de 0,79%. O petróleo fechou com queda superior a 4%. Por aqui, o Ibovespa bateu o nível mais baixo de 2012 no fim da manhã, mas conseguiu recuperar parte das perdas à tarde e encerrou o dia com queda de 2,14%, aos 53.033 pontos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.