'Piquetes são a demonstração de que a greve não está tendo sucesso', diz ministro da Justiça

'Piquetes são a demonstração de que a greve não está tendo sucesso', diz ministro da Justiça

Segundo Osmar Serraglio, o monitoramento do governo realizado até o momento indica que as manifestações 'estão sob controle'; Planalto, no entanto, permanece em alerta máximo e teme tumultos no fim do dia

Erich Decat, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2017 | 12h52

BRASÍLIA - Num primeiro balanço dos protestos realizados nesta sexta-feira, 28, em vários Estados do País, o ministro da Justiça, Osmar Serraglio, considerou, em entrevista ao Estado, que a greve geral não obteve o sucesso almejado pelas centrais sindicais, responsáveis pela organização da paralisação. No entanto, o governo permanece em alerta máximo e teme tumultos nos protestos marcados para a tarde de hoje, especialmente em São Paulo e Brasília.

“A necessidade de piquetes e bloqueios é a demonstração de que a greve não está tendo sucesso. Ninguém viu noticia de que tenha havido assembleia de sindicato aprovando que se fizesse greve. Logo, é uma greve das centrais insatisfeitas com as restrições colocadas ao imposto deles”, considerou Serraglio.

AO VIVO Acompanhe a greve geral pelo País

Segundo o ministro da Justiça, o monitoramento do governo realizado até o momento indicam que as manifestações “estão sob controle”.

“Pelo contato que tive com as autoridades policiais está mais ou menos tudo sob controle. Na medida em que vão surgindo piquetes ou bloqueios, o pessoal está liberando”, ressaltou Serraglio.

Reforma. A referência às restrições ao imposto das centrais, feita pelo ministro, se trata da votação da reforma Trabalhista aprovada nessa quarta-feira (26) pela Câmara dos Deputados. Entre as medidas previstas no texto, que precisará ser votado no Senado, está a extinção do imposto sindical. Durante as discussões entre os deputados, o presidente do Solidariedade, deputado Paulinho da Força (SD), chegou a apresentar uma emenda que previa que ao invés da extinção, a contribuição sindical obrigatória ficasse em torno de 35% de um dia de trabalho. A iniciativa foi, contudo, rejeitada pela maioria dos deputados.

O ministro da Justiça participa de um evento no Paraná e deve retornar à Brasília no meio da tarde. Segundo Serraglio, até o momento o Palácio do Planalto entrou em contato com ele para ter informações sobre o andamento dos protestos. “Ainda não tive contado com o presidente Michel Temer”, disse o ministro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.