Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Pirataria elimina 56 mil empregos em 5 anos

O impacto da pirataria e do contrabando no setor cultural pode ser avaliado em um levantamento da Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos do Brasil (APDIF). De acordo com o estudo, em cinco anos, 56 mil postos de trabalho foram fechados em decorrência do crescimento de vendas de CDs piratas. "Os produtos ilegais já dominam 59% do mercado. A atividade do governo no setor ainda é mínima", alerta o diretor-geral da APDIF, Valdemar Gomes Ribeiro. "Com a pirataria, o Brasil tem um prejuízo que supera o R$ 1 bilhão. Perdem tanto músicos, intérpretes e compositores quanto a indústria fonográfica e o governo brasileiro, que deixa de arrecadar milhões em impostos."No último final de semana, Ribeiro acompanhou, em Foz do Iguaçu, uma operação da Receita Federal que resultou na destruição de meio milhão de CDs piratas e 250 mil maços de cigarros contrabandeados. Pelos cálculos da APDIF, de janeiro de 2003 a agosto de 2004, os agentes da Receita apreenderam 24,9 milhões de CDs Piratas, entre gravados e virgens. No ranking da entidade, o Estado de São Paulo é a região mais afetada, onde o número de unidades retidas passa dos 10,4 milhões. O Paraná vem em segundo lugar no ranking com cerca de 9 milhões de CDs falsificados apreendidos. Em terceiro lugar aparece o Rio de Janeiro, com 1,5 milhão de unidades.

Agencia Estado,

07 de setembro de 2004 | 01h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.