finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Pista principal de Congonhas é reaberta

A pista principal do aeroporto deCongonhas voltou a operar nesta sexta-feira, depois de ficardez dias fechada em decorrência do pior acidente aéreo do país,provocado quando um Airbus A320 da TAM tentou sem sucessopousar e explodiu ao se chocar com prédios, matando cerca de200 pessoas. Apesar de fechar por dois períodos, a pista funcionounormalmente, segundo a Infraero. Às 19h, operando porinstrumentos devido à falta de visibilidade, das 211 partidasprogramadas, 47 foram canceladas e apenas duas tinham atraso. Segundo a Infraero, o primeiro pouso, às 12h23, foi de umAirbus da TAM, vindo de Florianópolis. Logo após a abertura, porém, a torre de controle doaeroporto solicitou o Notan (Notes Air Man), documento quelibera a operação da pista, mas ainda não estava disponível,informou um assessor da Infraero. Cerca de seis minutos depois,foi reaberta. À tarde, outra vez foi fechada por 17 minutos, às 16h40,para vistoria dos técnicos do Instituto de PesquisasTecnológicas (IPT) das ranhuras que estão sendo feitas no solo. O trabalho de grooving --pequenas ranhuras que ajudam noescoamento da água em dias de chuva-- começou esta semana,seguirá pelas madrugadas e só deve terminar entre 20 e 45 dias,segundo a Infraero. Por isso, nos dias de chuva, a pista deverá ser fechada. A canaleta na cabeceira da pista, destruída no acidente eque acabou provocando um deslizamento de terra nasegunda-feira, também não foi reparada. Mas, segundo aInfraero, o problema foi resolvido temporariamente com lonas eum novo desvio de água. De manhã, o novo ministro da Defesa, Nelson Jobim,percorreu a trajetória da aeronave da TAM que não conseguiuparar na pista na semana passada. O ministro estava acompanhadodo presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, e docomandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito. Recém-empossado, Jobim passou cerca de 40 minutosvistoriando a pista e andou até o local do acidente,atravessando a avenida Washington Luis. A pista principal, de quase 2 mil metros, passou por umareforma de 45 dias e foi liberada pouco mais de duas semanasantes do acidente. Desde então, foi fechada para investigaçãoda Polícia Federal. Congonhas passou a operar apenas com apista auxiliar, que, apesar de ter o grooving, é menor e temrestrições de tamanho e pesos de aeronaves. Nos outros principais aeroportos do país, dos 1.112 vôosprogramados até as 15h, apenas 127 (11,4 por cento) registravamatrasos de mais de uma hora e 133 foram cancelados (11,9 porcento), segundo a Infraero. No aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, dos 105 vôosprogramados até as 15h, 18 estavam atrasados e 14 foramcancelados. Em Brasília, das 75 partidas programadas, 12estavam atrasadas e três foram canceladas. (Por Fernanda Ezabella e Denise Luna, colaboração deMaurício Savarese)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.