Piva critica conduta do varejo e pede diálogo

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Horacio Lafer Piva, criticou hoje a crescente concentração do varejo, a utilização de práticas abusivas de preço e o aumento da adoção das marcas próprias pelas grandes redes de supermercados. Em conversa com varejistas na Associação Paulista de Supermercados (Apas), Piva afirmou que há uma assimetria crescente e preocupante com a concentração de renda nas mãos de algumas poucas cadeias. Como exemplo, citou que a participação dos cinco maiores grupos varejistas no total de receita do setor cresceu de 26% em 1996 para 39% em 2002. "Não é simplesmente a concentração que nos preocupa, mas o fato de que isso traz em seu bojo um aumento mais que desproporcional na dificuldade do relacionamento entre fornecedor e cliente", afirmou.Piva disse que já está negociando com as associações de varejo a criação de um código de conduta aceitável para ambas as partes na defesa das melhores práticas de relacionamento. "A micro e pequena indústria, principalmente, têm muita dificuldade ao lidar com o grande cliente. Precisamos exercitar o poder do mercado de forma mais saudável", destacou.Segundo Piva, é o varejo que define os preços, que cria cada vez mais marcas próprias, dificultando o trabalho das empresas que trabalham durante muito tempo na construção de suas marcas. "Isso cria dificuldades, pois diminui o espaço para o pequeno varejo e dificulta o diálogo com a indústria", resumiu.O presidente da Fiesp disse que na Apas e na Abras (Associação Brasileira de Supermercados) há empresários com interesse em conversar para acabar com a relação de conflito. "Tanto a indústria quanto o comércio têm interesse no aumento do consumo", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.