Piva mostra-se apreensivo com impacto da greve dos auditores

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Horácio Lafer Piva, se mostrou apreensivo sobre os problemas que a greve dos auditores da Receita Federal tem provocado ao setor industrial, em exportações de mercadorias e importações de insumos, principalmente."Não há a menor dúvida que esse problema da Receita compromete, porque já estamos atolados numa questão da burocracia, de custos altíssimos e uma carga tributária bastante hostil. Além de tudo isso, temos que conviver agora com uma greve que deixa nossos navios enfileirados nos portos, prejudicando justamente no setor mais dinâmico da economia brasileira, o da exportação", apontou, em entrevista exclusiva à Agência Estado.Ele preferiu não comentar a condução das negociações do governo junto aos grevistas, mas insistiu que a indústria e o País têm sido prejudicados com as paralisações.Problemas burocráticosNa sua participação durante a abertura do seminário "Aduana: Fator de Competitividade no Mercado Internacional", realizado em São Paulo, no Hotel Meliá WTC, pela Aliança Pró-modernização Logística do Comércio Exterior (Procomex), Piva havia manifestado a "exasperação" com a preocupação vivida no meio produtivo para a extração de problemas burocráticos da aduana brasileira.Embora entenda que o setor produtivo esteja "cumprindo seu papel" ao abrir novos mercados e expandir as exportações, falta aos empresários e ao governo buscarem "um modelo mais solidário" para resolução dos problemas burocráticos ainda presentes no comércio externo brasileiro.O Brasil tem que estar preocupado com esse problema, segundo Piva, por várias razões. "Por necessidade de redução da nossa vulnerabilidade externa; porque o mercado interno está fraco, com queda de renda e vai levar algum tempo para a recuperação; e por opção, porque o Brasil aceitou o desafio de enfrentar a inserção global competitiva", listou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.