Leo Souza/Estadão
Leo Souza/Estadão

Pix tem aceitação 'impressionante', mas 38% dos brasileiros ainda não usaram, diz Febraban

Em relação à segurança do Pix, quase um terço dos entrevistados (27%) considera que os bancos oferecem a ferramenta mais segura, contra 15% daqueles que apontam as fintechs como mais seguras

Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2021 | 07h37

O Pix, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central, conquistou definitivamente os brasileiros. A aceitação da ferramenta apenas em seus três primeiros meses de vida é "impressionante". Mais de um terço da população (38%), porém, ainda não experimentou a novidade. As constatações são da primeira edição do novo Radar Febraban, pesquisa da entidade que representa os bancos no País que foi realizada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe).

O nível de satisfação dos brasileiros que usam o Pix para pagar ou transferir é "muito elevado", conforme o levantamento, em todos os estratos demográficos. Para 58% dos entrevistados, a nota dada à nova ferramenta vai de sete a dez. Somente 3% estão na outra ponta, com notas de zero a três. Na média, a nota atribuída ao Pix é de 8,9, conforme a pesquisa da Febraban.

"Nesses primeiros três meses não usaram o Pix principalmente as mulheres, os mais velhos, e aqueles com menos escolaridade e renda", afirma a entidade na pesquisa lançada na terça-feira, 30.

A Febraban também procurou saber como o brasileiro está usando o Pix e para quais finalidades. Em questão de múltiplas respostas, 43% afirmam que fazem transferência bancária. Outros 37% dizem que o Pix é a escolha na hora de realizar pagamentos, enquanto 32% o utilizam para receber, e 31%, para obter recursos via transferência.

O Pix é utilizado ainda como aplicativo de relacionamento, conforme a pesquisa da Febraban. Embora o uso seja alegado por 1% dos 3 mil entrevistados pela pesquisa, aplicado à população do País, o número corresponde a um universo de cerca de um 1,6 milhão de brasileiros. Entre os mais jovens, chega a 4%.

Em relação à segurança do Pix, quase um terço dos entrevistados (27%) considera que os bancos oferecem a ferramenta mais segura, contra 15% daqueles que apontam as fintechs como mais seguras. Um terço (29%) vê conforto em ambos, e o mesmo porcentual não sabe avaliar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.