Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Placar que derrubou denúncia contra Temer indica dificuldades em reforma da Previdência

Resultado reforçou a expectativa de que o Planalto terá esvaziar ainda mais a proposta de mudanças na aposentadoria

Ricardo Leopoldo, correspondente, Eduardo Laguna e Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

03 de agosto de 2017 | 01h03

A votação da denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB) terminou com 44% da Câmara - 227 deputados - contrários ao arquivamento do processo. Se não foi o bastante para fazer do peemedebista réu numa ação por corrupção passiva no Supremo Tribunal Federal (STF), o número é mais do que suficiente para derrubar propostas de emenda constitucional, como a da reforma da Previdência.

Embora reduza as chances de Temer perder o mandato e abra uma melhor perspectiva de retomada da agenda reformista, o placar da sessão plenária desta quarta-feira, 2, reforçou a expectativa de analistas de que o Planalto terá que negociar concessões e esvaziar ainda mais a proposta de mudanças nas regras das aposentadorias - dependente do aval de dois terços do Congresso.

Após o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), anunciar a aprovação do parecer que recomendou o arquivamento da denúncia contra Temer, o diretor-executivo para as Américas da Eurasia, Christopher Garman, comentou ao Broadcast que a probabilidade de o peemedebista concluir o mandato, estimada em 60% pela consultoria de risco político, ganhou viés de alta.

Ele avalia que o resultado desta quarta-feira indica que Temer, salvo novo escândalo, tem capital político para derrubar uma nova denúncia a ser apresentada pela Procuradoria-Geral da República. Garman considera, porém, que a reforma da Previdência, uma medida de alto custo político para os parlamentares, só tem condições de passar pelo Congresso numa versão mais enxuta do que a defendida pelo Executivo. "Talvez o que pode passar pelo Congresso será a adoção da idade mínima e da regra de transição", comentou.

O analista político da XP Investimentos, Richard Back, tem uma visão parecida e considera que o sucesso das reformas estará condicionado à habilidade de Temer em reconstruir a coalizão partidária que vinha dando sustentação a seu governo até meados de maio, antes de estourar a delação da JBS com acusações contra Temer. "O governo tem de virar a página, reconstruir a base e voltar à condição que tinha até maio", avaliou o analista político.

Ainda que a rejeição da denúncia mostre resistência do governo, o cientista político da Fundação Getulio Vargas (FGV) Claudio Couto avaliou que o placar da votação sugere que a capacidade do Planalto em aprovar pautas mais polêmicas foi prejudicada pela crise política.

O analista nota que a contagem dos votos favoráveis ao peemedebista, de 263 parlamentares, ficou um pouco acima dos 257 votos (maioria simples) necessários para aprovar apenas leis complementares. "Pensando na reforma da Previdência, a obtenção de 308 votos (o necessário para aprovar uma Proposta de Emenda Constitucional) seria uma demonstração importante, de que o governo não apenas se salvou, mas que ainda tem força suficiente para aprovar coisas importantes", ponderou. "A votação de hoje mostrou que não".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.