Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

Planalto ainda precisa evitar derrubada do veto à proposta 85/95, diz Cunha

Segundo o presidente da Câmara, é preciso esperar o detalhamento da nova proposta da aposentadoria feita pelo governo para saber se haverá aceitação dos deputados

Ricardo Della Coletta , O Estado de S. Paulo

18 de junho de 2015 | 13h08

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou nesta manhã que é preciso esperar o detalhamento da nova proposta do governo para a flexibilização do fator previdenciário para saber se haverá ou não boa aceitação dos deputados. "A partir daí você pode ter a condição de a crítica ser mais produtiva", disse Cunha.  

O peemedebista também destacou que, além das explicações sobre a nova Medida Provisória, o Palácio do Planalto precisará se mobilizar para evitar a derrubada do veto à fórmula 85/95, incluída pelo Congresso em uma das MPs do ajuste fiscal. 

"Para isso tem que evitar a derrubada do veto antes. O problema é que o processo de derrubada ou não do veto vai ser anterior à apreciação da Medida Provisória", disse Cunha. "Vai ter que ser um trabalho político de conscientização do governo, mostrando que é uma regra boa porque nós temos que pensar no País em termos de futuro", avaliou. 

Para Cunha, ainda é "prematuro" tentar prever qual será o desfecho das negociações. Ele ressaltou, no entanto, que, qualquer que seja o desfecho - seja a manutenção ou a derrubada do veto -, "o aposentado já ganhou". "A regra existente hoje, com o fator (previdenciário), de certa forma já foi mudada. O conceito de 85-95, seja pela derrubada do veto ou pela aprovação da MP, veio para ficar, e isso de certa forma é uma vitória para o aposentado.


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.