Plano apresentado por consultor prevê US$ 1,889 bi pela Varig

Foi protocolado hoje na 8ª. Vara Empresarial do Rio de Janeiro o projeto de investimento na Varig apresentado pelo consultor Jayme Toscano, através do advogado Nelson Machado. O plano prevê a compra da Varig, Rio Sul e Nordeste com aporte de recursos e acerto de contas com credores, impostos e funcionários. No total, são previstos US$ 1,889 bilhão em aportes a serem feitos em quatro fases. A engenharia financeira prevê emissão de debêntures conversíveis (títulos privados) em ações das três empresas, que serviriam como garantia para o financiamento, que pode ser pago em 15 anos. A primeira parcela prevê US$ 500 milhões de empréstimo para capital de giro em até 30 dias após a assinatura do memorando de entendimentos (prevista para maio, segundo o documento que detalha o plano). Em até 60 dias após a assinatura do memorando, serão creditados US$ 600 milhões para pagamento de uma parte dos credores e funcionários. Também para este fim, outros US$ 400 milhões seriam enviados até 90 dias após o acerto (por volta de agosto). Em outubro de 2006, os investidores injetarão mais US$ 389,6 milhões para pagar credores e funcionários. Simultaneamente ao processo do crédito, os investidores representados por Toscano - cujos nomes ele não revelou - fariam uma due diligence, ou seja, uma investigação nas contas das empresas da Varig com previsão de perdurar por 180 dias. Os investidores têm duas opções: ou assumem o controle da companhia aérea ou organizam o sistema de co-gestão com os atuais proprietários. "Caso os patamares do passivo estejam dentro do planejado, faremos a opção para assumirmos o controle; caso optemos por não assumir o controle, os recursos até então aportados continuarão como financiamento" , diz o relatório. Segundo o documento apresentado à Justiça, o consultor Jayme Toscano é físico e administrador de empresas. Tem 60 anos, é casado, pai de quatro filhos, e atuou por 40 anos na área de telecomunicações. Desde 93, atua como consultor na área financeira de projetos de riscos, adquirindo e vendendo o controle de empresas e participando como co-gestor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.