coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Plano de capitalização será apresentado na Bovespa

Ao completar 75 anos, a Varig sinalizou hoje que pretende percorrer em sua reestruturação. Pressionada pelo endividamento ? que fechou 2001em quase US$ 900 milhões ?, a companhia prepara desde março um planode capitalização, orçado em US$ 400 milhões, que prevê a atração de investidores. O plano deverá estar pronto em setembro, estimou hoje o diretor de controladoria erelações com investidores, Manuel Guedes. O vice-presidente executivo da Varig, Yutaka Imagawa, disse que a intenção é fazer a apresentação do projeto na Bolsa deValores de São Paulo (Bovespa)Na mira da Varig para estruturar seu plano de capitalização estão preferencialmente fundos de pensão, fundos de private equity e bancos de investimento, informou seu diretor de controladoria e relações com investidores, Manuel Guedes. Ele observou que há um quarto tipo de investidor, decaráter estratégico, que não está sendo buscado neste momento. A este grupo pertencem empresas que já atuam no setor de aviação, explicou o diretor. Como a Varig conta com uma aliança operacional, a StarAlliance, onde atuam 16 companhias, ela não tem necessidade de buscar um parceiro com este perfil atualmente, acrescentou Guedes. Em entrevista concedida hoje em Porto Alegre, que marcou a passagem dos 75 anos da empresa, o presidente da Varig, Ozires Silva, lembrou que a Star Alliance completará cinco anos em maio. O Novo Mercado da Bovespa está nos planos da Varig. A companhia, que já aderiu ao Nível 1 de governança corporativa criado pela Bolsa, avalia uma progressão até o Novo Mercado, disse hoje o diretor de controladoria e relações com invest idores da Varig, Manuel Guedes. "O futuro que nós vemos para o mercado brasileiro é justamente entrar no Novo Mercado, pois o investidor vai receber melhor as empresas e faz parte do nosso projeto", observou. "Temos um processo de recapitalização e poderemos buscar em ações ordinárias ou transformar preferenciais", explicou, ao comentar a necessidade de contar apenas com ações comdireito a voto (ordinárias) para integrar o Novo Mercado. O ritmo em que a Varig fará esta transição seguirá as necessidades dos novos investidores e da holding controladora, a FRB-Par, descreveu o diretor. A elevação dos riscos do Brasil não deverá prejudicar os planos de capitalização da Varig, analisou Guedes. "O que se busca efetivamente é uma pulverização maior das ações da companhia, apoiada sempre por instrumentos demercado", comentou. "Estamos apresentando nosso projeto para inúmeros investidores", acrescentou. DescontosComo forma de marcar seu aniversário, a Varig anunciou hoje a concessão de um desconto de 50% nas tarifas debilhetes domésticos adquiridos em maio e utilizados no máximo até 7 de junho. O objetivo da empresa é elevar a ocupação dos vôo s, que hoje está em 55%, para 65%,disse o diretor de planejamento de linhas, Alberto Fajerman. A Varig irá disponibilizar 1,1 milhão de assentos com tarifa reduzida durante o prazo em que durar a promoção, considerando a capacidade dos trechos doméstico s. Na ponte-aérea Rio-São Paulo, a tarifa ficará em R$ 139,00 durante o período promocional. Nas rotas internacionais, oaproveitamento das aeronaves está em 70% e na Europa, em 80%. A região tem mostrado crescimento desde outubro, após o atentado terrorista de setembro nos Estados Unidos, disse Fajerman. Os vôos da Varig para os Estados Unidos tiveram uma redução imediata de 30% logo após o episódio, enquanto a Europa apresenta resultados melhores em 2002 que no ano anterior. A Varig informou também que irá retomar o ritmo de quatro vôos semanais ligando o Rio de Janeiro para Nova York emjulho. A companhia prepara também um pacote de linhas ligando a Europa a capitais do Nordeste. Haverá dois vôos de Madri pa ra Salvador (BA) e outros três com saídas naFrança, Alemanha (Frankfurt) e Itália (Milão) rumo ao Nordeste, disse o diretor de planejamento de linhas, Alberto Fajerman, sem indicar o ponto de destino no Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.