-15%

E-Investidor: como a queda do PIB afeta o mercado financeiro

Plano de demissão da GM nos EUA tem adesão de 6 mil pessoas

Montadora deve anunciar cortes, que representam cerca de 10% da força de trabalho sindicalizada, ainda hoje

Clarissa Mangueira, Agência Estado

26 de março de 2009 | 09h21

A General Motors conseguiu convencer mais de 6.000 membros do sindicato United Auto Workers (UAW) a aceitar o plano de demissões voluntárias, cumprindo as metas da empresa, relatou a agência de notícias Bloomberg News, citando pessoas próximas ao assunto.

Veja também:

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise  

A montadora planeja anunciar nesta quinta-feira, 26, as demissões, que representam cerca de 10% da força de trabalho sindicalizada.

Os custos trabalhistas da GM têm de corresponder aos das montadoras japonesas nos Estados Unidos, um dos termos do plano de reestruturação apresentado pela montadora ao Congresso americano.

O programa de demissões para os trabalhadores do sindicato inclui um voucher de US$ 25 mil para comprar um carro novo e US$ 20 mil em dinheiro. A empresa previu no orçamento a aceitação do plano por cerca de 6.000 funcionários, disse a fonte da Bloomberg.

Aqueles que aceitaram o acordo até segunda-feira, data do prazo final, têm sete dias para reconsiderar. Os porta-vozes da GM e da United Auto Workers se recusaram a comentar o assunto.

Tudo o que sabemos sobre:
GMcrisemontadorasdemissões

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.