Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Embraer dá férias coletivas em alguns setores a partir de outubro

Objetivo é adequar o ritmo de produção à desaceleração da demanda; plano de demissão voluntária da companhia contabilizou 1.470 empregados e foi criticado pelo sindicato

Luciana Collet, Beth Moreira e Luana Pavani, O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2016 | 13h09
Atualizado 16 Setembro 2016 | 14h37

SÃO PAULO - A Embraer iniciará férias coletivas em alguns setores da a partir de  outubro. Conforme comunicado desta sexta-feira, 16, o objetivo é adequar o ritmo de produção à desaceleração da demanda. "Os empregados dos setores envolvidos já foram informados sobre os períodos exatos de pausa", diz a nota, sem mais detalhes sobre quais as áreas envolvidas.

"Desde o início de agosto, a Embraer vem adotando uma série de medidas de redução de custos visando superar o cenário desafiador enfrentado hoje pela indústria aeroespacial e garantir a perenidade da empresa. A Embraer acredita e trabalha pela superação desse momento", diz o comunicado distribuído à imprensa.

A companhia explica ainda que as férias coletivas são uma antecipação do período aquisitivo regular do empregado, o atual ou o seguinte, garante que todos os direitos serão pagos normalmente.

PDV. A Embraer confirmou que seu Programa de Demissões Voluntárias (PDV), encerrado na quarta-feira, 14, concluiu o período de inscrições contabilizando um total de 1.470 empregados interessados. Segundo a fabricante de aeronaves, a partir de agora as inscrições serão avaliadas pela empresa e os inscritos serão informados sobre a aceitação da adesão até o dia 23 de setembro. Os empregados que tiverem a adesão ao PDV confirmada terão seu desligamento realizado na primeira semana de outubro.

"A Embraer acredita que o PDV dá oportunidade de decisão para os empregados e, desta forma, traz o menor impacto possível, por trazer um pacote de incentivos para aqueles que julgarem o momento propício para novos desafios profissionais ou pessoais", disse a companhia, por meio de nota.

A Embraer anunciou em oito de agosto um PDV, como parte de uma série de medidas de redução de custos com objetivo de "superar o cenário desafiador enfrentado hoje pela indústria aeroespacial e garantir a perenidade da empresa". O objetivo é economizar cerca de US$ 200 milhões com o conjunto de medidas para a revisão de custos, incluindo o PDV.

O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região tem se declarado contrário ao PDV e considera que as demissões "são desnecessárias e fruto da política da desnacionalização da Embraer e do envolvimento da empresa num caso de corrupção", afirma a entidade.

O valor estimado como meta de economia, de US$ 200 milhões, é o mesmo montante provisionado pela companhia no segundo trimestre de 2016, relacionado à investigação nos Estados Unidos sobre alegação de "não conformidade" com o U.S. Foreign Corrupt Practices Act (FCPA). Em seu balanço trimestral, a companhia explica que esse montante é uma estimativa de um "provável desfecho" de negociações, mas salienta que o valor ainda não foi "finalmente determinado". Desde 2010, a Securities and Exchange Commission (SEC) e o Departamento de Justiça dos Estados Unidos questionam a companhia por suspeitas de irregularidades na venda de aeronaves fora do Brasil.

Mais conteúdo sobre:
EmbraerSão José dos Campos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.