Estadão
Estadão

Plano de investimentos deve ser anunciado em algumas semanas, diz ministro

Ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva argumentou, no entanto, que 'seria prematuro falar em valores dos investimentos'

Rafael Moraes Moura, Tânia Monteiro, Ayr Aliski, O Estado de S. Paulo

27 de abril de 2015 | 21h06

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff deve anunciar o novo plano de investimentos dentro de algumas semanas, afirmou nesta segunda-feira o ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva. Ele conversou com a imprensa logo após a realização da reunião de coordenação política, no Palácio do Planalto. Edinho, no entanto, evitou falar sobre previsão de recursos a serem aplicados em novos projetos. Argumentou que "seria prematuro falar em valores dos investimentos". Afirmou também que o tema "contingenciamento" não foi tratado na região desta segunda-feira.

O ministro da Secom destacou que a reunião de coordenação desta segunda-feira teve por objetivo fazer um balanço da reunião ministerial de sábado, quando foram discutidas estratégias federais para a área de infraestrutura. A presidente esteve reunida durante cerca de dez horas com 13 ministros, técnicos do governo e representantes dos bancos públicos para discutir uma nova rodada de concessões em infraestrutura em áreas como aeroportos, rodovias e ferrovias. A iniciativa fez parte de uma estratégia do governo de criar uma agenda positiva por meio de investimentos em um momento de desânimo com a economia do País.


"Desde sábado, cada ministério está trabalhando com muita determinação para que o modelo de cada projeto seja definido. É muito prematuro falar em valores", defendeu o titular da Secom. Segundo Edinho, o governo entende que não existe ainda um modelo pronto para concessões. "Cada área de investimento deve ter um desenho específico", declarou. Ele disse que acompanhou a reunião de sábado e, na ocasião, a presidente orientou que os projetos e modelos fossem elaborados. Citou, inclusive, que haverá parte de e investimentos do Tesouro e, ainda, que projetos serão estruturados para complementar ações em fase de execução.

Nesta semana, explicou Edinho, serão ouvidas áreas que não foram consultadas nas últimas reuniões. O ministro disse que há preocupação da presidente com as obras que têm relação direta com a melhoria da qualidade de vida. "A presidente pediu que essas obras tivessem celeridade", disse, destacando que o governo trabalha com objetivo de preservar investimentos na área social.

"As áreas sociais não serão atingidas por nenhum corte. A presidenta pediu prioridade nas obras estruturantes, do ponto de vista logístico, da infraestrutura. Da mesma forma que também a área de comunicação será priorizada pelo governo e os investimentos nessa área serão tratados como prioritários", disse o ministro da Secom. Ele explicou, ainda, que na reunião de coordenação desta segunda-feira o vice-presidente Michel Temer fez um relato da viagem à Espanha e Portugal, em missão realizada na semana passada.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Áreas sociais não serão atingidas por nenhum corte, afirmou o ministro
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313

Pronunciamento. Edinho Silva confirmou, ainda, a informação de que a presidente Dilma não fará pronunciamento em rede nacional de rádio e TV relativo ao Dia do Trabalhador, 1º de maio. A estratégia, segundo o ministro da Secom, será realizar uma conversa por meio das redes sociais, pela internet. "A decisão foi unânime na reunião de coordenação. Dilma dialogará com trabalhadores pelas redes sociais", disse.

Questionado sobre os recentes debates sobre a possibilidade de pedido de impeachment da presidente Dilma, Edinho Silva disse que, por enquanto, trata-se de uma questão político-partidária. "Do ponto de vista jurídico, impeachment não está pautado", defendeu o ministro. Segundo ele, os partidos de oposição têm todo o direito de construir as suas posições e o governo tem de tratar com essas decisões de forma tranquila.

Tudo o que sabemos sobre:
infraestruturaedinho silva

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.