Ucam/ Reprodução
Ucam/ Reprodução

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Plano de recuperação da Candido Mendes prevê transformação da universidade em uma S.A.

Elaborado pela Deloitte, o plano de recuperação da Candido Mendes apresenta medidas de eficiência na operação, entre elas a criação de um centro de serviços compartilhados para as áreas administrativas

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2020 | 20h34

RIO -  A Universidade Candido Mendes (Ucam) quer deixar de ser uma associação civil sem fins lucrativos para se transformar numa sociedade anônima. A mudança faz parte do plano de recuperação judicial entregue nesta quarta-feira à 5ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). Na condição de empresa, a instituição espera atrair sócios que ajudem a sanar uma dívida milionária.

Professores e funcionários administrativos são os principais credores da Ucam. Em seu plano de recuperação, ela admite um passivo de cerca de R$ 180 milhões com os empregados e propõe o equacionamento em até dois anos.

"Imaginamos que parceiros vão procurar a universidade. Já procuravam antes, em razão do prestígio no mercado de educação superior, que é um mercado aquecido", avalia Cristiano Tebaldi, pró-reitor Comunitário da Candido Mendes. Ele acrescenta, porém, que "a universidade não está à venda" e que os futuros sócios devem ser do próprio setor de educação.

Enquanto aguarda pela aprovação do plano de recuperação, a universidade trabalha para ampliar o número de alunos em 30%, e chegar a 13 mil no primeiro semestre do ano que vem. Parte desse crescimento seria consequência da expansão do ensino à distância, em cursos que começariam já em outubro e novembro. As novas matrículas para as aulas presenciais devem ser para ingresso em janeiro do ano que vem, nos cursos em que a Ucam é mais reconhecida - Direito, Negócios e Economia. "Mais do que um planejamento de curto prazo para equacionar dívidas e honrar nossos compromissos com os credores, este é um plano que deverá direcionar a operação da Candido Mendes nos próximos 15 anos", afirma Tebaldi.

Elaborado pela Deloitte, o plano de recuperação da Candido Mendes apresenta medidas de eficiência na operação, entre elas a criação de um centro de serviços compartilhados para as áreas administrativas, incluindo recursos humanos, TI, contabilidade e serviços gerais.

O plano prevê ainda a renegociação de todos os contratos de aluguel e a venda de ativos imobiliários que não estão sendo usados pela universidade, incluindo um prédio de 11 andares no centro do Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.