Plano de reestruturação da VW começa a ser discutido amanhã

A direção da Volkswagen e representantes de trabalhadores de quatro das cinco fábricas do grupo no País se reúnem amanhã para discutir o plano de reestruturação do grupo que prevê a demissão de 5.773 trabalhadores, o equivalente a 25% do quadro atual, além de corte em igual proporção nos custos com a folha de pagamento.O encontro será tenso. Hoje, a montadora informou a dispensa de 30 alunos do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) que se formam no fim do mês. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, é a primeira vez que isso ocorre. Normalmente, a empresa efetiva os aprendizes, filhos e irmãos de funcionários.Também pela primeira vez, os funcionários não foram dispensados para assistir ao primeiro jogo do Brasil na Copa. "O pessoal do turno da tarde que entrou para trabalhar estava bravo", disse Wagner Santana, coordenador da Comissão de Fábrica da Volks. Segundo ele, o índice de faltas no turno em que trabalham cerca de 4 mil funcionários foi alto.A empresa informou que não houve acordo com os trabalhadores para a compensação das horas que não seriam trabalhadas por causa do jogo. O mesmo ocorreu na fábrica de São José dos Pinhais (PR).ProtestosPela manhã, sindicalistas e trabalhadores distribuíram 300 mil panfletos em vários pontos da capital paulista, ABC, Taubaté, São Carlos e São José dos Pinhais em protesto contra as demissões.Segundo o sindicato, as 3.773 demissões serão efetivadas até 2008 nas fábricas de São Bernardo, Taubaté e São José. São Carlos, onde são feitos motores, e Resende (RJ), que concentra a produção de caminhões, estariam fora do processo. A Volks fala em milhares de demissões, mas não confirma números.Amanhã também está agendada reunião entre diretores da General Motors e trabalhadores de São José dos Campos (SP), onde a montadora pretende demitir 960 metalúrgicos até o fim de julho. A GM abriu um programa de demissão voluntária que teve pouco mais de 100 adesões e, por causa disso, foi prorrogado até hoje. Nessa unidade os funcionários também não puderam assistir ao jogo da seleção brasileira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.