Plano dos EUA não elevará demais poder do Fed, diz Bernanke

Segundo presidente do BC, é melhor pensar na proposta de regulação financeira como 'mudança na abordagem'

Suzi Katzumata, da Agência Estado, e Dow Jones,

25 de junho de 2009 | 15h28

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), Ben Bernanke, disse nesta quinta-feira, 25, que é errado pensar o plano do governo norte-americano de revisar as regras financeiras dos Estados Unidos como algo que irá aumentar enormemente a autoridade do banco central. "Não é um aumento excessivo nos poderes", disse Bernanke à Comissão de Supervisão e Reforma do Governo da Câmara dos Representantes, que marcou a primeira defesa pública do presidente do Fed ao plano financeiro anunciado recentemente pelo presidente dos EUA, Barack Obama, e o secretário do Tesouro dos EUA, Timothy Geithner.

 

Veja também:

especialOs principais pontos da reforma financeira dos EUA

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

Segundo Bernanke, embora o plano de renovação da administração Obama busque tornar o Fed um super-regulador do sistema financeiro dos EUA para que possa melhor monitorar as firmas financeiras e os potenciais "riscos sistêmicos" à economia, é melhor pensar na proposta como uma mudança na abordagem em vez de um significativo aumento nos poderes do banco central. Não é "uma grande mudança" em termos de poderes comparado com o que atualmente temos no lugar, disse Bernanke.

 

Os comentários do presidente do Fed foram feitos em resposta às manifestações de ceticismo dos deputados com relação a dar ao banco central norte-americano uma nova autoridade para monitorar o sistema financeiro. Os críticos argumentam que o Fed foi muito lento para agir para ajudar a evitar a crise financeira e falhou em fazer o suficiente para proteger os consumidores.

 

Inflação

 

Com relação às preocupações dos deputados norte-americanos sobre a imensa oferta de dinheiro que o Fed vem injetando no sistema financeiro, o presidente do banco central disse que está confiante de que instituição pode sair de seus programas de resgate enquanto mantém a inflação sob controle.

 

"Acreditamos que podemos fazer isso", disse Bernanke à Comissão de Supervisão e Reforma do Governo da Câmara. "Temos todos os instrumentos para fazer isso. Estamos comprometidos com a estabilidade de preço e vamos garantir que isso acontecerá."

 

O presidente do Fed esteve no Congresso dos EUA para depor sobre o papel do Fed na aquisição do Merrill Lynch pelo Bank of America (BofA). Mas ele também enfrentou perguntas sobre riscos de inflação, o plano da administração do presidente Obama para reformar as regras financeiras do país e a decisão dos formuladores da política de permitir o colapso do Lehman Brothers, em setembro de 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.