Robson Fernandes/Estadão
Alerta disparado na área técnica é de que adotar essa via rápida para tirar o plano do papel pode levar o governo a repetir os mesmos erros do passado Robson Fernandes/Estadão

Plano Pró-Brasil ganha apelido de 'Dilma 3' em sintoma de insatisfação de área econômica

A comparação com os programas de gestões petistas virou motivo de assombro até mesmo nas equipes que trabalham no plano

Adriana Fernandes e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2020 | 18h05

BRASÍLIA - A área econômica do governo apelidou o Plano Pró-Brasil de “Dilma 3” por prever a ampliação do gasto público para a retomada econômica por meio de obras em infraestrutura. A ironia expõe a insatisfação da equipe econômica com o programa de investimentos lançado pela ala militar do governo em conjunto com os ministros Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) e Tarcísio de Freitas (Infraestrutura).

A referência “Dilma 3” é uma alusão ao que seria uma continuidade do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que teve duas etapas durante os governos do PT e cujos gastos podiam ser abatidos do esforço necessário para cumprir a meta fiscal. O PAC 1 foi lançado em 2007 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Já a segunda etapa, o PAC 2, veio em março de 2010, na antessala da campanha eleitoral que elegeu sua sucessora, Dilma Rousseff, quem efetivamente colocou a nova fase em prática.

Depois da desastrosa apresentação do Plano Pró-Brasil, sem dados técnicos e com gráficos considerados apenas ilustrativos, o clima na área econômica era de alívio pelo fato de nenhum integrante da equipe econômica ter sentado à mesa ao lado do ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto, endossando o anúncio. Um integrante da equipe econômica disse que só faltou colocar o “selo” de “Dilma 3” no Pró-Brasil.

A comparação com os programas de gestões petistas virou motivo de assombro até mesmo nas equipes que trabalham no plano. Na ala defensora do plano, há quem peça a aceleração dos prazos anunciados por Braga Netto, com estruturação até julho, detalhamento dos projetos até setembro e implementação a partir de outubro. O alerta disparado na área técnica, porém, é que adotar essa via rápida para tirar o plano do papel pode levar o governo a repetir os mesmos erros do passado, com imprecisões nos efeitos esperados e nos custos estimados.

As obras do PAC foram alvos de críticas porque, entre outros motivos, começavam com um orçamento e, quando terminavam, tinham um custo duas ou três vezes maior. O temor entre técnicos é que isso se repita caso a ala política ou militar do governo force a barra para turbinar o plano na ânsia de dar uma sinalização de retomada.

Outro sinal de alerta é que os próprios órgãos que mapearam mais de 11 mil projetos paralisados por falta de dinheiro enfrentam dificuldades para justificar a inclusão dessas ações no escopo de um programa de recuperação da economia após uma pandemia. Na prática, o próprio governo ainda não encontrou critérios e argumentos para despejar agora o dinheiro nessas obras.

As dificuldades para colocar o plano em prática podem ser aliadas da equipe econômica, uma vez que a estratégia do ministro da Economia, Paulo Guedes, é buscar o alinhamento dentro do que pode ser feito diante das restrições fiscais, mas barrar os “excessos”. A avaliação é que a posição mais dura do ministro na reunião de apresentação do plano ontem no Palácio do Planalto barrou o anúncio de detalhes do programa que poderiam dificultar um ajuste interno no seu tamanho.

Guedes deixou claro que não aceita “piruetas fiscais” no teto de gastos, mecanismo que limita o avanço das despesas à inflação e que alguns defensores do plano querem “driblar” para alavancar as despesas com infraestrutura. A resposta veio depois. Na coletiva de anúncio do plano, Tarcísio falou sobre o problema, buscando uma conciliação nas relações estremecidas. 

“Podemos até perder, mas vamos perder lutando e mostrando a direção correta”, disse um auxiliar de Guedes. 

Outro auxiliar do ministro ressaltou que, nos momentos mais tensos com o Palácio do Planalto, o jeito Guedes de atuar é não bater de frente e ajustar o discurso nos bastidores. Ele deixou claro, no entanto, que não há espaço para aumentos exagerados de gastos e mudança no teto.

A equipe econômica tem defendido que o grande motor da retomada precisa ser a iniciativa privada e que as propostas dos ministérios serão analisadas de acordo com o espaço existente no Orçamento. A avaliação é que o teto é a âncora que permite a manutenção dos juros em patamar reduzido e que o Brasil não vai retomar se “perder a âncora e virar um barco à deriva”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

'O governo não tem força para puxar investimento via recurso público', diz Mansueto sobre Pró-Brasil

Secretário do Tesouro negou que haja desacordo entre as alas política e econômica do governo; plano para o período pós-pandemia foi anunciado sem a participação do Ministério da Economia

Eduardo Rodrigues e Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2020 | 15h10

BRASÍLIA -  O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, avaliou nesta quinta-feira, 22, ser necessário aumentar muito o investimento na retomada da economia após a crise, mas enfatizou que o governo não tem a capacidade de liderar esse movimento. 

“O governo não tem força para puxar investimento via recurso público, falta espaço fiscal. Mas quando sairmos da crise, cabe a nós mostrar aos investidores privados que teremos estabilidade de regras para recebermos esses investimentos”, afirmou, em teleconferência organizada pelo Lide Ceará. “Precisamos aprovar as reformas e a agenda de privatizações para dar aos investidores privados a segurança para investirem no Brasil.” 

Sem a participação de equipe econômica, a Casa Civil lançou na quarta-feira, 22, no Palácio do Planalto, o Plano Pró Brasil - chamado informalmente de “Plano Marshall” - para aumentar os investimentos públicos em infraestrutura no pós-crise.

Mansueto negou desacordo entre as alas políticas e econômica do governo e argumentou que houve um ruído de comunicação em torno do lançamento do Pró-Brasil. “Levei um susto com notícias sobre um ‘Plano Marshall’ brasileiro, porque o Plano Marshall foi usado para reconstruir a Europa e não precisamos reconstruir País algum. O que existe, e eu vejo isso de forma positiva, é a coordenação de ações de combate à crise na Casa Civil. Não há briga política nenhuma dentro do governo”, alegou.

Apesar do sinalizado pela Casa Civil na quarta, para o secretário do Tesouro, o Plano Pró-Brasil não trará um crescimento grande do investimento público. “Todo o governo sabe que precisaremos de investimento privado para retomar investimentos, enquanto o setor público entra propondo as medidas. O passado nos ensina que o Estado como grande investidor não funcionou.”

Mansueto disse que os R$ 30 bilhões previstos inicialmente pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, para o Plano Pró-Brasil de investimentos no setor até 2022 é factível. Ele lembrou que a pasta já dispõe de cerca de R$ 24 bilhões em recursos para os próximos três anos.

“O ministro falou em R$ 30 bilhões em três anos e ele já tem garantido R$ 24 bilhões nesse período. Aumentar esses recursos em R$ 5 bilhões ou R$ 6 bilhões é factível, R$ 2 bilhões por ano. Mas é preciso retirar esses recursos de outras áreas do orçamento”, alertou.

Como mostrou o Estado, no entanto, o plano prevê um incremento de R$ 300 bilhões - R$ 250 bilhões em concessões e parceria público privada e outros R$ 50 bilhões de investimento públicos. A coordenação será do ministro-chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Plano Pró-Brasil é superficial e inexequível, diz economista

Para Ana Carla Abrão, é difícil até comentar um plano econômico feito sem a participação da equipe econômica

Francisco Carlos de Assis, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2020 | 14h54

O Plano Pró-Brasil, elaborado sem a participação do Ministério da Economia e anunciado na quarta-feira, 22, pelo ministro-chefe da Casa Civil, general Walter Braga Netto, “é superficial e inexequível, é uma carta de intenção”. A avaliação é da economista Ana Carla Abrão, ex-secretária da Fazenda do Estado de Goiás e sócia da consultoria Oliver Wyman no Brasil.

“Acho até difícil comentar um plano econômico que não tem a participação da equipe econômica. É o que venho falando desde o começo desta pandemia: o governo não consegue dar uma resposta à crise com todos os atores importantes à mesa”, disse a economista, que também é colunista do Estadão, ao se referir à ausência do ministro da Economia, Paulo Guedes, no anúncio do Plano.

Ana Carla diz ser sabido por todos que a política de ajuste fiscal terá de ser relaxada neste momento de crise na saúde. Mas, de acordo com ela, é a equipe econômica, que conhece os dados da economia, que dá o direcionamento, que pode fazer as restrições fiscais num plano como o anunciado.

“Não adianta fazer um 'power point', falar que vai gastar R$ 500 bilhões e não dizer de onde virão os recursos, como serão financiados e a que setores vão ser privatizados, quais são os motores da retomada”, criticou. Para a economista, a superficialidade do plano vai expor a equipe que o construiu e não desgasta a equipe do Ministério da Economia.

“É uma carta de boa intenção. Na verdade, é mais um desejo. A gente critica o governo por estar dando um cheque em branco aos Estados e agora, dentro do governo, se assina um cheque em branco”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Bolsonaro quer pegar carona no 'orçamento de guerra' para abrir cofre para reeleição

Motivação do presidente Jair Bolsonaro em dar sinal verde para o anúncio de um programa visivelmente ainda inacabado tem dois focos: desviar atenção das mortes crescentes no Brasil pelo novo coronavírus e pegar também carona no orçamento de guerra

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2020 | 13h29

Muitas vezes apontados por integrantes do governo como “bons planejadores”, os militares do Palácio do Planalto decepcionaram na quarta-feira, 22. Os sete slides de apresentação do lançamento programa Pró-Brasil viraram motivo de chacota pelo conteúdo vazio e a constatação de que o programa desenhado pela ala militar do governo, com a participação dos ministros de Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, e Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, não passa, por enquanto, de um rascunho mal desenhado. 

O quarto slide do powerpoint, intitulado “abrangência do programa", apresentado pelo ministro da Casa Civil, general Braga Netto, é um amontoado de setas e palavras desconectadas, sem nenhuma explicação.

Independente do debate legítimo sobre a necessidade ou não de o governo ser obrigado a dar um empurrão nos investimentos para ajudar na recuperação da economia pós-covid 19, a motivação do presidente Jair Bolsonaro em dar sinal verde para o anúncio de um programa visivelmente ainda inacabado tem dois focos. 

Em primeiro lugar, desviar atenção das mortes crescentes no Brasil pelo novo coronavírus. Mas o objetivo cirúrgico por trás do plano Pró-Brasil é pegar também carona no orçamento de guerra, Proposta de Emenda Constitucional (PEC) em tramitação no Congresso, que dará a ele cheque em branco para gastos com a covid-19, para abrir o cofre do Tesouro e acelerar a volta do crescimento a tempo da campanha eleitoral de 2022. 

A urgência do Palácio do Palácio em dar uma cara e roupagem para o programa se justifica. O estado de calamidade pública, aprovado pelo Congresso, termina em dezembro. Até lá, o governo, com a justificativa de dar uma resposta aos efeitos da covid-19, poderá editar créditos extraordinários que ficam fora do teto de gastos – o entrave legal para a gastança em tempos de eleições. Não é por outra razão que, com o cofre cheio do governo e aparentemente sem limites para gastar, as tradicionais lideranças da velha política ensaiam uma aliança com Bolsonaro. É o cheiro do dinheiro. 

É um filme já visto nos governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, que aproveitaram para estender as medidas adotadas para o enfrentamento da crise financeira internacional de 2008-2009 de olho na manutenção do poder.

A dúvida que fica até o momento é se o ministro da Economia, Paulo Guedes, vai ceder espaço na sua política liberal de diminuição do Estado e maior participação do setor privado no crescimento para entrar no jogo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Governo Bolsonaro busca apoio dos EUA para Plano Pró-Brasil

O ministro-chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto, se reuniu nesta quinta com o embaixador Todd Chapman; detalhes de uma possível cooperação, no entanto, não foram definidos

Jussara Soares, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2020 | 14h23

BRASÍLIA - O governo Jair Bolsonaro tenta conquistar o apoio dos Estados Unidos para o recém-lançado Plano Pró-Brasil para a retomada econômica pós-covid-19. A cooperação foi discutida na manhã desta quinta-feira, 23, em uma reunião no Palácio do Planalto entre o ministro-chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto, e o embaixador americano Todd Chapman. Outro ponto da conversa foi o enfrentamento à pandemia nos dois países.

Os detalhes da possível cooperação pós-covid, no entanto, ainda não foram definidos. Uma das hipóteses seria uma contribuição para a retomada econômica por meio de investimentos de empresas americanas já instaladas no Brasil.

Na semana passada, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, afirmou que os Estados Unidos ajudarão o Brasil na crise do novo coronavírus apenas depois que a situação doméstica melhorar.

Em entrevista ao Estado, a porta-voz do Departamento de Estado americano Morgan Ortagus afirmou que o secretário foi "mal interpretado". Segundo ela, Pompeo se referiu "apenas a exportar equipamentos de proteção individual", mas outras formas de cooperação e financiamento poderiam ser estabelecidas mesmo durante o pico da crise nos EUA.  

Apesar disso, os americanos evitaram fazer promessas ao governo brasileiro no encontro no Palácio do Planalto.

Lançado na quarta-feira, 22, o Plano Pró-Brasil de recuperação econômica pós-covid-19 deve começar a ser implantando em larga escala a partir de outubro. O cronograma de elaboração do programa foi apresentado pelo ministro-chefe da Casa Civil, apesar das divergências com a equipe econômica.

O programa havia sido batizado informalmente de Plano Marshall, mas o ministro negou inspiração na estratégia americana de financiar a reconstrução e recuperação dos países aliados após a Segunda Guerra Mundial. "Não existe nenhum plano Marshall. Existe o Pró-Brasil. Plano Marshall é outra coisa. Isso não é um programa de recuperação econômica. É de crescimento econômico e social", disse Braga Netto, que, ao longo da resposta, usou depois algumas vezes a palavra recuperação econômica.

A primeira reunião de trabalho será nesta sexta-feira, 24, quando cada ministro vai levar suas propostas. A fase de estruturação será feita entre maio a julho. Os detalhes dos projetos serão definidos em setembro para a implantação a partir de outubro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.