Plantadores de cana pedem reativação do Proálcool

Dirigentes da Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana) solicitaram nesta terça-feira ao ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Sergio Amaral, a reativação do Proálcool. Segundo o presidente da Feplana, Antônio Celso Cavalcanti, o setor aposta no programa para melhorar o preço da cana-de-açúcar. O excesso de oferta de açúcar no mercado internacional reduziu o preço do produto e, conseqüentemente, também o da cana. "Precisamos encontrar consumo para o excesso da cana", disse. A Feplana entregou um documento ao ministro defendendo mecanismos de planejamento de oferta e demanda que assegurem a oferta de álcool no mercado. Para a entidade, a demanda se expandirá quando o consumidor estiver seguro de que não faltará álcool, como no passado. A Feplana representa 60 mil pequenos plantadores de cana, responsáveis por 35% da produção nacional. O ministro reiterou seu compromisso em reativar o Próálcool, desde que o setor industrial assuma o compromisso de não desviar a produção para o açúcar, numa eventual melhora dos preços deste produto no mercado internacional. Amaral afirmou aos dirigentes da Feplana que, se preciso, o governo estabelecerá mecanismos de controle das exportações de açúcar para garantir o abastecimento do mercado de álcool. Sérgio Amaral defende a assinatura de uma espécie de termo de compromisso pela indústria sucro-alcooleira. O documento seria apresentado à sociedade como garantia de abastecimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.