Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Plenário da Câmara mantém pedágio de 100% da regra de transição no texto-base na Previdência

Com a regra, por exemplo, se faltar um ano para um homem atingir 35 anos de contribuição, ele terá que trabalhar dois anos

Amanda Pupo, Eduardo Rodrigues e Mariana Haubert, O Estado de S.Paulo

12 de julho de 2019 | 17h37

BRASIÍLIA - O plenário da Câmara rejeitou nesta sexta-feira, 12, por 387 votos a 103, o destaque nº 44, do PDT, que buscava manter apenas os requisitos de idade e tempo de contribuição na reforma da Previdência, retirando o pedágio de 100% da regra de transição - que corresponde a um período adicional de contribuição equivalente ao mesmo número de anos que faltará para cumprir o tempo mínimo de contribuição (30 anos ou 35) na data em que a reforma entrar em vigor.

Com a regra, por exemplo, se faltar um ano para um homem atingir 35 anos de contribuição, ele terá que trabalhar dois anos (um ano que resta e um ano de pedágio). Se fosse aprovado o destaque do PDT, o impacto na economia total da reforma em dez anos seria de R$110 bilhões, de acordo com estimativa de parlamentares da base.

Ao explicar o destaque durante a votação, o relator Samuel Moreira (PSDB) afirmou que, se a proposta fosse aceita, iria “destruir a reforma”. “São quase R$ 200 bilhões, nós vamos destruir a reforma da previdência se votarmos a favor desse destaque”, disse.

O plenário analisará os outros seis destaques de bancada que ainda restam, um de cada vez. O texto-base da reforma da Previdência foi aprovado na quarta-feira (10), por 379 votos a 131 no plenário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.