Plosser, do Fed, alerta que alta dos juros pode vir mais cedo que esperado

O fortalecimento da economia dos Estados Unidos pode forçar o banco central a aumentar os juros "mais cedo" para se antecipar à inflação, afirmou nesta terça-feira o presidente do Federal Reserve de Filadélfia, Charles Plosser.

HOWARD SCHNEIDER, Reuters

20 de maio de 2014 | 13h49

Afirmando sua postura mais linha-dura em relação ao controle dos preços, Plosser afirmou em discurso em Washington que o Fed corre o risco de ficar "atrás da curva" no controle à inflação se mantiver a política monetária tão expansionista quanto ela está agora enquanto a economia cresce e o mercado de trabalho continua melhorando.

Ele disse projetar crescimento de 3 por cento neste ano, apesar do resultado fraco do primeiro trimestre que ele e outras autoridades do Fed atribuíram ao inverno rigoroso.

De maneira geral, a economia dos EUA "está no nível mais forte desde que a recuperação começou", afirmou Plosser de acordo com texto preparado para o discurso e distribuído antes do pronunciamento em conferência.

Ele descartou o resultado do primeiro trimestre ao considerá-los uma aberração e afirmou que "os detalhes intrínsecos são... encorajadores".

"À medida que continuamos a nos mover para mais perto da nossa meta de inflação de 2 por cento e o mercado de trabalho melhora, precisamos estar preparados para ajustar a política de maneira apropriada", disse Plosser, que atualmente atua como um dos integrantes regionais do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês).

"Isso pode exigir que comecemos a elevar os juros mais cedo", acrescentou.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROEUAFEDPLOSSER*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.