PMI de indústria da China tem mínima em 3 meses e renova temores sobre economia

O crescimento do setor industrial da China desacelerou para o ritmo mais fraco em três meses em agosto, com perda de força da produção e de novas encomendas, mostrou nesta quinta-feira o Índice de Gerentes de Compras (PMI) preliminar do HSBC, aumentando as preocupações sobre a economia.

REUTERS

21 de agosto de 2014 | 07h20

O PMI preliminar do HSBC/Markit caiu para 50,3 em agosto ante máxima de 18 meses em julho de 51,7 em julho, ficando abaixo da previsão da Reuters de 51,5.

Essa foi a leitura mais baixa desde maio, embora o PMI tenha permanecido acima da marca de 50 que separa crescimento de contração pelo terceiro mês consecutivo.

O resultado foi divulgado no momento em que o crescimento econômico da China parece estar vacilando novamente, com indicadores recentes que vão de empréstimos a produção e investimentos apontando para uma atividade mais lenta.

"Os dados de hoje sugerem que a recuperação econômica ainda continua, mas o ímpeto diminuiu novamente", disse Hongbin Qu, economista-chefe para China do HSBC.

"Achamos que é necessário mais suporte de políticas para ajudar a consolidar a recuperação. As políticas monetária e fiscal devem se manter expansionistas até que haja uma recuperação mais sustentada da atividade econômica", disse Qu.

O subíndice que mede as novas encomendas, uma medida da demanda doméstica e externa, caiu para 51,3, leitura mais baixa em três meses. O subíndice de produção também recuou para o menor nível em três meses em agosto.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCHINAPMI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.